Os mistérios da última ceia.

Em que dia da Semana Santa se celebrou a Última Ceia?

 A última comida que, segundo a Bíblia, compartiu Jesus Cristo com seus doze apóstolos, na noite de Quinta-feira Santa teve lugar na realidade em uma quarta-feira, segundo afirma um experto britânico da Universidade de Cambridge Reino Unido.

Colin Humphreys assegura ter resolvido um dos grandes mistérios do Novo testamento da Bíblia depois de descobrir que a chamada “Última Ceia” teve lugar em uma quarta-feira um de abril do ano 33. Os detalhes de sua teoria se publicam em um livro intitulado “The Mystery of the Last Supper” (“O Mistério da última ceia”).

A ceia é considerada pela maioria dos teóricos como uma Ceia de Páscoa celebrada na noite de quinta-feira santa antes da crucificação na sexta-feira santa. Esta crença se baseia na cronologia dos evangelhos, mas a cronologia do Evangelho de João indica que se celebrou antes da Páscoa (João 13:1, 18:28).

As referências no evangelho de João marcam o dia da preparação para a páscoa (João 19:14, 31 e 42), se tomam por muitos para indicar que a morte de Cristo ocorreu no tempo da matança dos cordeiros da Páscoa (esta cronologia posterior é a aceita pela Igreja Ortodoxa). No entanto, aqueles que situam a última ceia na tarde de quinta-feira, geralmente atribuem a Marcos 14:12 e Lucas 22:7 as únicas referências explícitas nos evangelhos a que no momento da crucificação de Cristo se dá a matança de cordeiros, e se dá lugar ao Dia da Preparação no Evangelho de João como uma possível referência a Quinta de páscoa durante o qual se realizam as preparações para o descanso do Shabat.

Depois, muitos teóricos têm questionado estas cronologias e rechaçam suas afirmações de que os evangelhos fazem referência à páscoa e sustentam que coincidem com João, já que existem muitos fatos que têm lugar relacionado a ultima Ceia, como a traição e prisão, interrogatório e os posteriores juízos, que dificilmente podiam ter lugar durante uma noite. Alguns grupos minoritários de cristãos creem que um exaustivo exame dos evangelhos indica que a Última Ceia teve lugar na terça-feira, e que Jesus foi crucificado em uma quarta-feira.

A ceia se discute através dos quatro evangelhos da bíblia canônica. Os evangelhos sinópticos afirmam que na manhã do mesmo dia o cordeiro Pascual para a ceia seja sacrificado.

No entanto, sob o método judeu de tempo de recolhimento, o dia era considerado que começa justamente ao amanhecer, por tanto a festividade da páscoa se contempla que ocorra no dia posterior em que foi sacrificado. Isto implica que os sinópticos não estão instruídos no conhecimento do recolhimento judeu, ou que eles usaram a técnica literária de ver os eventos que passaram em vários dias em um só.

Outros interpretam a linguagem dos Evangelhos sinópticos como suficientemente permissivos para ter uma tarde sacrificando aos cordeiros pascoais.

Em 1983 uma investigação com astrofísica de Oxford chega à mesma conclusão de que fosse uma quarta-feira, posto que seria, materialmente impossível que se produzisse no transcurso de uma única noite todos os eventos que sucederam antes de sua execução: prisão, interrogatório, depois dos juízos separados de Pôncio Pilatos e Herodes, por que se fosse pouco tiveram lugar em várias zonas de Jerusalém.

 De acordo com algumas investigações teologais, Jesus se ajustou a um velho calendário judeu em lugar de se basear no calendário lunar oficial que estava muito desenvolvido nos anos de sua morte.

Nos evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas se diz que a Última Ceia foi uma comida pascoal, enquanto que no evangelho de João se estabelece que aconteceu antes da Páscoa.

Deste modo, os investigadores concluem “que ambas as versões têm razão, mas se refere a dois calendários diferentes”, e que são compatíveis com a teoria de que a Última Ceia se celebrou na realidade na quarta-feira.

Os Mistérios de Leonardo Da Vinci.

Entre os anos 1495 e 1497, Leonardo Da Vinci pintou um mural, no convento de Santa Maria das Graças, em Milão, melhor conhecido como “A última ceia”, obra que alguns expertos consideram a melhor do mundo dentro da categoria pictórica.

Segundo contam, o artista italiano necessitou de cerca de uma década para levar a cabo esta obra, a qual com os anos adquiriu grande fama, não só por sua espetacularidade, mas também porque guarda uma série de segredos e muito misticismo.

Não faz muito tempo se deu a conhecer a notícia de que nesta obra podiam estar ocultos dados e informação valiosa, assim como também usou os rostos de algumas personagens bíblicas e alguns históricos que ao parecer, Da Vinci colocou-os em determinados pontos, de maneira precisa e sem que ninguém se apercebera dele.

No entanto, parece que existe um segredo mais que esconde esta obra. O músico italiano Giovanni Maria Pala é um estudioso apaixonado de dita pintura e investiu várias horas de trabalho para achar que outras coisas quis Leonardo, modelar neste trabalho.

Segundo o músico, depois de quatro anos de investigação, assegura que nesta tem escondida uma peça musical, assim o indica o site “ciudadania-espress.com”. Para ele, desenhou sobre o quadro um pentagrama, marcou as mãos dos ali retratados e pedaço de pão, o qual dá origem a uma partitura que se lê da direita para esquerda, dá uma melodia cuja duração é de 40 segundos.

A este italiano chamou-lhe muito atenção que as personagens de “A Última Ceia” estiveram agrupadas de três em três, o que reforçou sua teoria da existência oculta de uma melodia, que dada esta característica, provavelmente se tratara de uma obra cujo ritmo é de três quartos.

Giovanni Maria Pala publicou um livro intitulado “A Música Escondida”, onde explica como é que nasceu sua inquietude, assim como os métodos que utilizou para chegar a dita conclusão.

Anteriormente, já havia escutado por televisão a versão de que na pintura escondia música, esse réquiem que assegura se trata de “um hino a Deus”.

“É como uma banda sonora que enfatiza a Paixão de Jesus” comentou o músico e também experto em informática em uma entrevista para a BBC, quem também assinalou que existem outras mensagens cristãs ocultas, o que afirma a teoria de que Leonardo Da Vinci, além de pintor, era músico e um teólogo “refinado e sutil”.

Maria Madalena, uma mulher, que pelo Vaticano foi considerado como prostituta, nos evangelhos apócrifos se mostra como a mulher de Jesus, sua companheira mais próxima, com a que inclusive teve um filho.

Para quem não saiba que são os evangelhos apócrifos, são aqueles escritos sobre a vida de Jesus, descartados e proibidos pela igreja católica.

Neste quadro Da Vinci mostra a Madalena como substituta do apóstolo João, já que na época era muito comum achar similitudes entre ambos.

Se nos fixamos bem na mesa não aparece nem o graal nem a forma santa, sugerindo que Madalena era o cálice em si, a portadora do filho de cristo.

Na parte direita do quadro aparecem três apóstolos que estão completamente desentendidos do que se passa no lado esquerdo.

Mostram uma conversação particular apartados das palavras de Cristo. Para retratar ao último (apóstolo Simão) se diz que utilizou como imagem um busto de Platão, e para ele apóstolo Judas Tadeu que aparece justo ao lado de Simão, um autorretrato seu, assim quis dar-lhe um toque de heresia ao quadro, como ele sempre dizia “Prefiro ser mais filósofo que cristão”.

Por último no lado direito do quadro aparece o apóstolo João com uma faca, que intenta ocultar atrás de suas costas, e como a outra mão parece fazer um gesto ameaçador a Madalena, se pode apreciar inclusive como o apóstolo André levanta as mãos ao sentir o punhal cerca de seu corpo. Representando como a igreja de Pedro ameaça à igreja de Maria Madalena.

Muitos estudiosos creem que o Cenáculo – a habitação onde ocorreu a Última Ceia – e o Cálice Santo eram propriedade da família de São Marcos, o evangelista, que fez de intérprete de São Pedro em Roma.

São Marcos e São Pedro viviam em estreita relação e parece ter sentido que São Marcos dera o Cálice Santo a São Pedro, pela simples razão de que era muito importante para os primeiros cristãos usar relíquias na liturgia e Pedro era a cabeça da igreja.

A tradição espanhola afirma que São Pedro se levou o Cálice Santo consigo à Roma, onde o passou a seus sucessores até a perseguição de Valeriano no ano de 258.

Devido ao grave perigo de que a preciosa relíquia caíra em mãos dos romanos, São Sixto II, sabendo que imediatamente seria martirizado, confiou o Cálice a seu tesoureiro e diácono, São Lourenço.

Este por sua vez, deu a um soldado espanhol, pedindo-lhe que a levara a Huesca, Espanha, onde sabia que sua família se faria cargo dela.

Esta antiquíssima tradição se apoia em muitos fatores: o cânon romano da Missa, o fato de que o cálice não se menciona em Roma até o século III, vários documentos, e a presença tradicional e histórica do Cálice Santo em Espanha.

Os fatos muitas vezes se misturam com afirmações falsas e material legendário, de tal maneira que fazem duvidar sobre a possibilidade de chegar, a saber, a verdade.

Um sério rival da tradição de São Lourenço, ao menos na opinião popular, é a lenda de que José de Arimateia levou o Santo Graal à Inglaterra.

José de Arimateia, irmandade da Piedade (Cabra, España).

Narra-se que José de Arimateia recolheu o sangue de Cristo em uma vasilha que foi usada como bandeja para o pão e o cordeiro pascoal na Última Ceia e logo a entregou ao deus celta Bron que a levou ao Ocidente como um talismã de imortalidade. Não é difícil compreender que há lendas que só se baseiam em ações jamais aprovadas e o graal em qualquer caso é uma taça histórica, ou melhor, uma bandeja que não existiu na realidade, ou o sangue real de cristo que marcam seus descendentes com Maria Madalena. Encontramo-nos diante de um exemplo perfeito de mistura de fantasias e realidade, literatura e legenda que permite muitas discussões sobre o Santo Graal.

O Santo Graal deveria interessar diante dos olhos da fé dos cristãos de hoje pela mesma razão de que sempre tem sido venerado, através dos séculos, como um símbolo da taça usada por Cristo durante a Eucaristia.

 Naquele tempo, disse Jesus aos judeus: “Eu sou o pão vivo que baixou do céu: aquele que come deste pão viverá para sempre”.

E o pão que eu darei é minha carne, para a vida do mundo. Disputavam, então os judeus entre si: Como pode este dar-nos a comer sua carne? Então Jesus lhes disse:  Vos asseguro que se não comeis a carne do Filho do Homem e não bebeis seu sangue, não tereis vida em vós. Aquele que come minha carne e bebe meu sangue tem vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia.

Minha carne é verdadeira comida e meu sangue é verdadeira bebida. Aquele que come minha carne e bebe meu sangue habita em mim e eu nele. O Pai que vive em mim me enviou e eu vivo pelo meu Pai; do mesmo modo, o que come viverá por mim. “Este é o pão que baixou do céu: não como o de vossos pais, que o comeram e morreram: aquele que come este pão viverá para sempre”. João 6, 51-58.

Fonte: http://www.diariomasonico.com/