A dor e o sofrimento

É comum ouvir dizer que somente aqueles que passaram pela dor e sofrimento é que atingem uma satisfação plena do fato e do conhecimento total da situação em que viveram. Diria que isto, para mim, seria a ascensão à sabedoria através do dia a dia de cada um. É com esta luta diária e constante que se vai adquirindo o conhecimento e, claro, a instrução. 

Isto nos remete à Maçonaria que é composta de várias instruções. E as instruções vieram de vivências e experiências de todos os tempos. Séculos e mais séculos de dores e sofrimentos entre os homens, que foram se associando e formando modos de se viver para se tornarem critérios para formar homens para o bem da humanidade. 

Vejam que sem dor e sofrimento não se consegue absolutamente nada para o engrandecimento da alma. O homem, Pedra Bruta, que a Maçonaria aceita para trabalhar em seu grupo, quer que homem se trabalhe e se desbaste até que seja julgada polida. A Pedra Bruta, cujo material “é retirado da jazida no estado natural até que, pela constância e trabalho do homem, fique na devida forma, para poder entrar na construção do edifício”. Esse trabalho não é gozo, é dor, é sofrimento, no sentido que fará o homem criar uma situação favorável em que ele passe de descontrolado para um ser instruído e apto para o bem. 

O trabalho do aperfeiçoar o homem é um trabalho que representa a inteligência, “o sentimento do homem no estado primitivo, áspero e despolido, e que nesse estado se conserva até que, pelo cuidado de seus pais e instrução dos Mestres, adquira educação liberal e virtuosa, tornando-se um ente culto capaz de fazer parte de uma sociedade civilizada”, diz o Ritual.

A inteligência nos foi dada pelo Grande Arquiteto do Universo para discernir entre o bem e o mal, quando “dirigida por uma moral sã”. E a inteligência é progressiva e de aperfeiçoamento, tendo os seus devidos graus à proporção que vamos crescendo na vida. E chega ao seu ponto maior quando estamos na idade madura. 

Carlos Nasser em seu texto diz que segundo o neuropsicólogo russo-americano Eklhonon Goldberg, a sabedoria é uma forma de processamento mental muito avançada, que atinge seu auge apenas na velhice – justamente a época em que a capacidade do nosso cérebro começa a diminuir. E Goldberg diz que “A velhice é sempre vista como uma época de declínio, mas ela pode trazer novas habilidades muito poderosas”

E a Maçonaria é experiente para sempre nos propor “a moral mais pura e mais propícia à formação do caráter do homem, quer considerado sob o ponto de vista social, quer sob o individual”. E essa moral é baseada na Fraternidade. No amor ao próximo. 

Finalizo dizendo que Jean-Jacques Rousseau disse que “A juventude é a época de se estudar a sabedoria; a velhice é a época de praticá-la”. E Lembrar que Sócrates dizia que a Sabedoria começa com a vontade de saber.

 

* Juarez de Oliveira Castro

Mestre Maçom (Instalado) da Loja "Alferes Tiradentes" Nº 20

Sob a obediência da M∴R∴G∴L∴S∴C∴

Florianópolis-SC

 

Voltar