Um sonho? Talvez

 

 

Casa de praia, nesta Ilha mágica !
Noite de verão. O relógio marcava, creio, 22,00 horas.
Nenhuma preocupação...
Meu corpo,  jogado numa "maca paraguaia", exigia um 
cochilo.
A criançada da vizinhança, em férias, brincava de tudo. 
Que saudade dos meus tempos...
Palmas no portão. Alguém chamando.
Uma senhora, bem idosa, pedindo comida. 
É comum este tipo de apelo na temporada.
Preparei-lhe um bom lanche e, já acomodada na varanda,
fez sua "refeição".
Falante, tive a impressão de conhecê-la no passado.
Fiquei assustado, quando perguntou por meu pai, 
mencionando seu nome.
Olhou-me com a ternura que somente uma pessoa, num 
passado distante, me olhava. Impossível ...
Delicadamente, despediu-se, não antes de muito agradecer 
por minha atenção, e beijar-me.
Ao amanhecer, fiquei confuso e cheio de perguntas, até
hoje, sem respostas.
Foi um sonho ?  Talvez...

 

SINVAL SANTOS DA SILVEIRA

 

Obreiro da Loja "Alferes Tiradentes" Nº 20

Florianópolis-SC

Leia mais poemas do autor: https://poesiasinval.blogspot.com