Sou o grito que não se ouvia
 

 

Verdade.

Mas, também, não me calo.

De amor, eu falo.

De saudade, sofro gemendo...

Procuro, nas trevas, a luz que se apagou.

No silêncio, o sorriso que me abandonou.

Sigo as pegadas, mesmo apagadas, pois sei

o caminho que tomou.

Meus sentidos ficam atentos e, no vento, leio

as mensagens que ela mandou.

A voz do trovão fala ao meu coração, trazendo

recados de esperança, falando de bonanza,

acalmando minha emoção !

Decifro os relâmpagos no firmamento...

São sinceros e falam o que quero ...

Banho-me na água da chuva !

São lágrimas de alegria, brindando a chegada

daquele amor, que tanta falta me causou !

Sou o grito que, agora, é ouvido !

 
Sinval Santos da Silveira
Veja mais poemas do autor

Clicando no seu BLOG: https://poesiasinval.blogspot.com        

Sinval Santos da Silveira
Obreiro da ARLS... "Alferes Tiradentes"
Registrado sob o nº 20 na M... R... Grande Loja de Santa Catarina
Or... de Florianópolis/Santa Catarina

 
 

 
 
"A verdade deve manifestar-se em nossos pensamentos, nossas palavras e nossas ações"
 
Mahatma Gandhi
"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"

 

Áureo dos Santos