FOI ASSIM...

 
 

 

FOI ASSIM...

 

 

Estávamos a  sós.
Eu ouvia, enquanto ela Falava.
Ninguém mais falava.
Ninguém mais ouvia.
Chorava, mas as lágrimas eram minhas.
Então, eu sorria e os Seus olhos choravam.
Mesmo, assim, mandou-me embora...
Obedeci.
A renúncia, também, é um grande gesto de
amor.
Em silêncio, aguardei um recomeço...
Foram muitos anos de felicidade !
Enviei-lhe as seguintes poucas linhas:
" Quando a saudade quiser  judiar de ti, eu 
estarei aqui, com a mesma alma cheia de amor !
Tudo que eu possa dizer, neste momento, será 
muito pouco, diante do que mereces.
Não permitas que o tempo nos atropele.
Fomos muito importantes, um para o outro.
Sabes do que estou falando.
Deus, também...
Um fraterno abraço ".
O tempo foi generoso e a saudade perdeu o 
endereço.
Foi assim.
Tudo em profundo silêncio...
 

Sinval Santos Silveira

 

 
Veja mais poemas do autor

Clicando no seu BLOG: https://poesiasinval.blogspot.com        


* Sinval Santos da Silveira
Obreiro da ARLS... "Alferes Tiradentes"
Registrado sob o nº 20 na M... R... Grande Loja de Santa Catarina
Or... de Florianópolis/Santa Catarina

.