Lei "Maria da Penha"
 

 

Tentou sua vida harmonizar, em nome do amor que sentia.

Apostou nos sentimentos e nas promessas que recebia...

De joelhos rezou.

Segredos guardou, enxugando lágrimas e chorando  

em silêncio.

Gritou, e o eco do seu grito não voltou.

A vergonha amordaçou sua voz, pela vida que levou.

Nem força restou...

O sofrimento, como erva daninha, destruiu sua felicidade e,

sem piedade sua vida ceifou.

Não há mais pressa, nem promessas...

A covardia,  instalada sob o manto da crueldade, acabou

com os sonhos da felicidade, levando  a vida,  deixando a

cicatriz da maldade.

Só esperança restou, na justiça que virá, na pena que 

pagará, nas mãos fortes da Lei  "Maria da Penha", que 

aí está !

 
Sinval Santos da Silveira
Veja mais poemas do autor

Clicando no seu BLOG: https://poesiasinval.blogspot.com        

Sinval Santos da Silveira
Obreiro da ARLS... "Alferes Tiradentes"
Registrado sob o nº 20 na M... R... Grande Loja de Santa Catarina
Or... de Florianópolis/Santa Catarina

 
 

 
 
"A verdade deve manifestar-se em nossos pensamentos, nossas palavras e nossas ações"
 
Mahatma Gandhi
"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"

 

Áureo dos Santos