COMPARAÇÕES

COMPARAÇÕES

 

 

Só, permaneço deitado nesta pedra, no meio 

da mata.

O vento fresco e úmido acaricia minha face.

Fecho os olhos e me deixo levar pelos sentidos...

Ouço os pássaros, sinto perfumes. 

Cantam alegremente para conquistar seus amores.

Percebo sua proximidade. Sou um invasor;

Um intruso em seu ninho.

Como são felizes !

É contagiante !

Não conhecem os meus vícios.

Ambição, vingança... e tudo mais.

Um pequeno fio de água se dirige apressado  

ao córrego, parecendo conhecer seu destino.

Mas, nunca passou por aqui.

Jamais terá a chance de voltar a este lindo lugar.

O perfume adocicado das frutas silvestres, atrai  

o reino animal, num fantástico frenesi.

Sinto-me parte desta agitação.

Meu meio urbano não é harmonioso como este.

Aqui, o limite do predador é o tamanho da sua 

fome.

No meu mundo, a ambição não tem limite...

A lealdade inexiste e o ódio brota a cada 

momento, como aquele fio de água que passou.

 

Sinval Santos Silveira

 

 
Veja mais poemas do autor

Clicando no seu BLOG: https://poesiasinval.blogspot.com        


* Sinval Santos da Silveira
Obreiro da ARLS... "Alferes Tiradentes"
Registrado sob o nº 20 na M... R... Grande Loja de Santa Catarina
Or... de Florianópolis/Santa Catarina

.