AINDA QUE AUSENTE
 

 

De olhos fechados, te vejo a minha frente.
Vestes a roupa que peço, ou nenhuma...
Jamais me negas, como se fosse uma ordem.
Sei quando estás triste.
Sempre acontece quando abro os olhos.
És tímida, vives na minha imaginação, para que
somente eu possa te ver.
Escuto a tua doce voz.  
Só eu, ninguém mais.
Durmo, todas as noites, abraçado a ti.
Escuto as tuas historias, contos lindos,
para eu dormir.
Desconfio, até, que sejas uma fada, ou a
Deusa do Amor...
É bom te sentir presente mas, se estiveres
ausente, separada por estas  águas bravias,
fecho, novamente, os olhos e te envolvo  
num afetuoso abraço !

 

 
Sinval Santos da Silveira
Veja mais poemas do autor

Clicando no seu BLOG: https://poesiasinval.blogspot.com        

Sinval Santos da Silveira
Obreiro da ARLS... "Alferes Tiradentes"
Registrado sob o nº 20 na M... R... Grande Loja de Santa Catarina
Or... de Florianópolis/Santa Catarina

 
 

 
 
"A verdade deve manifestar-se em nossos pensamentos, nossas palavras e nossas ações"
 
Mahatma Gandhi
"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"

 

Áureo dos Santos