EU VENDI FIADO
 

 

Minha geração e, também, as anteriores, conviveram com o terror desta inibidora frase: "EU VENDI FIADO".

os comerciantes a colocavam em locais das lojas, bem visíveis aos olhos da freguesia.

Era ilustrada pela foto de um homem magro, mal vestido e,

ao canto do estabelecimento, um cachorro com as costelas à mostra.

Representava o "calote", o fracasso e a falência.

Ao lado, no mesmo quadro, outra frase: " EU  VENDI  A 

DINHEIRO", ilustrada por um homem corpulento, fumando um vistoso charuto, acompanhado  de seu cachorro bem alimentado.

Como as coisas mudaram...

O termo "fiado"  foi substituído por "prestação", onde se realizam quase todas as vendas.

As placas ilustrativas e, talvez ofensivas, desapareceram

das paredes dos comerciantes, sendo substituídas por

ofertas a perder de vista .

Certamente, aquele homem gordo, da ilustração, morreu

de diabete, colesterol altíssimo, câncer de pulmão ou 

doenças cardíacas.

O magérrimo, foi devorado pela tuberculose e pelo stress.

O vendedor das placas, antes bem sucedido, FALIU !

É, os tempos mudaram mesmo, e não foi por culpa dos

velhacos...

 

 
* Sinval Santos da Silveira
Veja mais poemas do autor

Clicando no seu BLOG: https://poesiasinval.blogspot.com        

Sinval Santos da Silveira
Obreiro da ARLS... "Alferes Tiradentes"
Registrado sob o nº 20 na M... R... Grande Loja de Santa Catarina
Or... de Florianópolis/Santa Catarina

 
 

 
 
"A verdade deve manifestar-se em nossos pensamentos, nossas palavras e nossas ações"
 
Mahatma Gandhi
"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"

 

Áureo dos Santos