A Caverna, o Candidato e o Aprendiz

No Mito da Caverna, Platão nos faz imaginar gerações de homens, mulheres e crianças, acorrentadas pelos pés, mãos e pescoços, no interior de uma caverna, onde nasceriam, viveriam e morreriam sem nunca vislumbrar sua entrada. 

O mundo dessas pessoas é um campo distorcido, formado por sombras dantescas projetadas nas paredes pela forte luz proveniente do exterior, sendo essa a única visão daqueles que lá vivem, e por sons guturais, criados por obra do eco em sua estrutura. 

 

Até que então, um dos membros do grupo desperta da inércia generalizada que acomete seus pares, rompe os grilhões e foge para conhecer o terreno estranho. Quando retorna, percebe que não mais consegue se comunicar com os que lá permaneceram, sendo até mesmo agredido por pensarem que suas histórias sobre como a vida do lado de fora de fato é : nada mais que mentiras descabidas. 

 

Ele decide então se manter calado quando lá estiver, uma vez que não estão preparados intelectualmente para assimilarem sua descoberta, já que foram condicionados durante gerações a uma determinada “verdade”. 

 

O candidato, que deseja conhecer os Augustos Mistérios da Maçonaria, também se encontra em uma caverna. Acorrentado, desconhece a verdade sobre o globo terrestre, sobre seu corpo e sobre o SEU EU. 

 

Preso ao mundo profano, as imagens que lhe chegam por sombras na parede da vida lhe enganam, e os sons distorcidos que vão até seus ouvidos ajudam na criação do engodo promovido pelo Establishment, privando-o do conhecimento do EU Verdadeiro. 

 

Na Câmara de Reflexões, com a tênue luz que lhe é oferecida, ele começa a romper as correntes que teimam em lhe negar o advento da Verdade. 

 

Decidido a morrer e nascer para uma nova vida, após meditar sobre seus atos, redige seu testamento. 

 

Durante a cerimônia, o ainda candidato, privado da visão é instado a se utilizar de seus outros sentidos, como preparação para jornada que está prestes a empreender rumo à liberdade. 

 

Já como Aprendiz, mas na escuridão do Norte, ele inicia todo o processo de conhecimento do Verdadeiro EU, encetando os trabalhos de cavar masmorras ao vício e levantar templos à virtude. 

 

Livre dos grilhões, das sombras e dos ecos, ele pode agora mergulhar na viagem do autoconhecimento, preparando seu espírito para o caminho que o levará à Verdadeira Luz. 

 

 

Ir.·. Luiz Marcelo Viegas
ARLS∴ Pioneiros de Ibirité, 273 – GLMMG

Fonte: Jornal do Aprendiz - edição 123

"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"
Áureo dos Santos