A importância do símbolo na Maçonaria

Ao observarmos num carro um adesivo no qual está representado um esquadro unido a um compasso, mesmo que de forma estilizada, aventamos a possibilidade de que o condutor seja Maçom. Mesmo para os que não são Maçons, mas já leram ou ouviram, ou tem, pelo menos, curiosidade sobre Maçonaria, sabem que existe uma relação entre o adesivo e a Ordem Maçônica.

 

Somos uma civilização movida por símbolos. É inegável a importância que eles exercem na vida das pessoas e na cultura dos povos. Placas. Logomarcas. Imagens. Rótulos. Embalagens. Etc. São signos, sinais, símbolos que nos indicam, ou pelo menos sugerem o que comer, o que beber, o que vestir, o que comprar e muito mais. O celular, através dos ícones da tela, oferece uma infinidade de aplicativos e serviços, inclusive a possibilidade de se fazer uma ligação telefônica. Além de sugerir como devemos nos comportar, mais que isto, os símbolos podem revelar o que pensamos, o que queremos e o que somos. Eles podem vir a revelar nossos anseios, convicções e aspirações. Numa sociedade, ou grupo social, o estudo e análise de seus símbolos poderá revelar seus valores e seus objetivos. 

 

Nós Maçons formamos um grupo social com símbolos, linguagem e gestos bastante peculiares. Os símbolos nem sempre são originários da própria Maçonaria. Poderão vir das antigas escolas de mistérios, da mitologia antiga, das religiões e das mais diversas correntes filosóficas, dentre outras fontes. Assim, por exemplo, são extraídas da Bíblia, as colunas Boaz e Joaquim; da Alquimia, o VITRIOL; das Ordens de Cavalaria, a espada. Esta apropriação de símbolos pode, por vezes, requerer a necessidade de conferir ao símbolo um novo significado, tornando-o mais rico em interpretações. 

 

Tradicionalmente o aprendizado da doutrina maçônica e seus segredos se faz através de cerimônias iniciáticas, cujo cenário está repleto de símbolos. É nesta ocasião, neste “clima” que ocorre a revelação de seus símbolos, e o conjunto das ações ritualística efetuadas exerce forte impressão psicológica de modo a ficar indelevelmente gravado na memória o ato realizado. Quem não se lembra de momentos da própria iniciação? Desta forma, o símbolo passa a fazer parte dos ensinamentos e das doutrina maçônica, pela qual o maçom deve pautar suas ações se quiser passar da escuridão da ignorância para a claridade da sabedoria. 

 

Uma vez assimilado o significado, o símbolo trascende a barreira da linguagem. Não é preciso saber hebraico para compreender o significado do “iod”, basta ser Maçom. Daí a importância do “Simbolismo Maçônico”. Este simbolismo não é o conjunto dos símbolos que a Maçonaria adota, mas o conceito que a Maçonaria tem do símbolo e como ele pode ou deve ser utilizado. Por isto a necessidade de uma correta interpretação dos símbolos. Não há espaço para invencionices. Os Aprendizes e Companheiros devem ser constantemente inquiridos sobre os significados dos símbolos dos respectivos graus, e os Mestres frequentemente devem revisar e debater as instruções dos três graus simbólicos.

 

Não é possível mensurar até onde o subconsciente é impressionado pelo simbolismo maçônico, a ponto de que tais símbolos se tornem balizadores do ser interior de cada Maçom. Entretanto, com o passar dos anos é possível avaliar, numa retrospectiva mental, a influência que a Maçonaria exerceu na vida de cada Maçom e como ele foi capaz de, através de ações e comportamentos éticos, contribuir para a construção social. 

 

Não podemos esquecer que a par dos símbolos maçônicos e seu significado, existe a vivência dentro da Ordem Maçônica e a convivência fraternal com outros Irmãos Querendo ou não, o que vivemos individualmente se agrega ao significado dos símbolos. E isto é absolutamente individual. É o desbaste contínuo, porém solitário, da Pedra Bruta. Não tem como passar este conjunto de conhecimentos adiante. Cada um tem a sua vida suas escolhas e preferências. O Maçom, que absorveu o “espírito maçônico”, sabe, ao ver o esquadro, que este representa a retidão das ações. Sabe, se em determinada situação agiu com lisura e retidão, de acordo com o que preceitua nossa Ordem. Sabe se usou o esquadro corretamente, ou não. E da mesma forma com todos os demais símbolos da Ordem. O instrumento operativo transmutou-se em instrumento especulativo, através da “nova” definição que a Maçonaria lhe conferiu. É o Alquimista trabalhando no seu atanor*.

 

Assim, quando o Maçom, diferentemente do profano que ao ver o esquadro e o compasso associam-nos à Maçonaria, vê qualquer símbolo maçônico ele agrega ao seu significado primeiro toda uma carga emocional e cognitiva de que somente ele é capaz de compreender e transcender. 

 

Vejamos, portanto, os símbolos e deles retiremos os ensinamentos a fim de contribuir permanentemente para o nosso “conhecer-se e aperfeiçoar-se”.

 

Francisco Carlos Lajús

Grande Instrutor Litúrgico da GLSC. Obreiro da ARLS. “Alferes Tiradentes” Nº 20

 

*Atanor: também chamado forno cósmico, é um forno utilizado na alquimia para fornecer calor para a digestão alquímica. Era considerado o forno filosófico, o qual deveria permitir a obtenção da pedra filosofal (lapis philosiphorum). 

 

Fonte: Informativo “Chama” da GLSC - ano XII - Nº 47 - Mar/19.

"A verdade deve manifestar-se em nossos pensamentos, nossas palavras e nossas ações"
 
Mahatma Gandhi
"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"

 

Áureo dos Santos