A Maçonaria e a Estátua da Liberdade

 

PREFÁCIO

 

A vitória do Movimento Revolucionário de 1776, que deu origem à República dos Estados Unidos da América, foi também uma vitória da Maçonaria, pois os ideais maçônicos de Liberdade, Igualdade e Fraternidade, foram os alicerces para a construção do novo país.

 

A recém-nascida nação foi uma espécie de laboratório para a construção da sociedade democrática no mundo, onde se organizou um governo que “em certo sentido, nascia de baixo para cima”. Dois maçons notáveis contribuíram para declaração de Independência dos Estados Unidos da América: George Washington e Benjamin Franklin.

 

O INÍCIO

 

Tudo começou nos arredores de Versalhes, nas proximidades da capital francesa, Paris, em 1865, durante um jantar na casa do historiador e jornalista Maçom Francês Edouard de Laboulaye, na Aldeia de Glavingny, um Subúrbio de Paris. Entre os presentes estavam Oscar e Edmond de Lafayette, netos do Marquês d’lafayette, os Maçons George Whashington e Henry Martin, o artista Frederic Auguste Bartholdi.

 

Oficialmente, o monumento foi idealizado para homenagear os Estados Unidos no centenário da sua independência e, ao mesmo tempo, celebrar as boas relações entre os dois países.

 

Laboulaye foi quem primeiro propôs a ideia do presente, e o povo francês arrecadou os fundos em uma campanha nacional feita pela Maçonaria para que, em 1875, a equipe do escultor Bartholdi começasse a trabalhar na estátua colossal.

Em 1871, Bártoli, com 31 anos de idade, ficou imbuído com a ideia e também o desafio que apresentou seu talento artístico, porém a proposta permaneceu inativa durante o regime autocrático de Napoleão III e ao longos dos anos destrutivos da Guerra Franco Prussiana.

 

A CONCEPÇÃO

 

Portando cartas de apresentação e grandes esperanças, Bartholdi viajou para a América e, no convés do Navio Pereire , visualizou a Baía inferior de Nova Iorque, onde teve uma visão de uma deusa magnífica, erguendo uma tocha em uma mão e acolhendo todos os visitantes para a terra da liberdade e oportunidade.  Com papel e pincel, na cor da água, esboçou a ideia da Estátua da Liberdade.

 

Voltando à França, o projeto sofreu vários adiamentos porque, naquela época, não era politicamente conveniente que, na França imperial, se comemorassem as virtudes da ascendente república norte-americana. 

 

Bartholdi então, inspirado pelo no Colosso de Rodes para construir a Estátua da Liberdade, usou duas pessoas especiais para se inspirar na construção da estátua. A mulher representada na estátua da liberdade possui a silhueta corporal de sua noiva e as feições do rosto, foram inspiradas em sua mãe.

 

Tornou-se patente que ele incorporara símbolos da Maçonaria no seu projeto – a tocha, o livro na sua mão esquerda, e o diadema de sete espigões em torno da cabeça, como também a tão evidente inspiração ligada à deusa Sophia, que compõem o monumento como um todo. Isto, talvez, não era uma grande surpresa, o visto ser Maçom. Segundo os iluministas, por meio desta, foi dado “sabedoria” nos ideais da Revolução Francesa.

 

A estrutura em que a estátua se apoia foi construída pelo Maçom Gustave Eiffel, o famoso construtor da Torre Eiffel. O pedestal sobre o qual se apoiaria a estátua seria construído e financiado pelos americanos.

 

O PROJETO

 

Para a sustentação da estátua, ele sugeriu uma estrutura com uma torre central em ferro, firmemente ancorada no pedestal, e ela consistiria em um andaime de ferro com reforços diagonais. A esse esqueleto seria acoplada uma estrutura secundária, mais próxima da forma da estátua, de onde sobressairiam diversas barras de ferro, planas e flexíveis, que se ligaria com o que podemos chamar de “pele” do monumento.

 

Em estilo Neoclássico, essa “pele” foi constituída por 300 pranchas de cobre norueguês, moldadas manualmente e unidas com rebites, somando 80 toneladas. Inicialmente, Bartholdi fez diversos modelos em argila, e depois em gesso até chegar ao cobre, em chapas bem finas com 2,3 mm de espessura. A estátua foi montada, provisoriamente, no pátio do ateliê onde fora modelada, e somente em 1885 o monumento de 46,5 metros e com quase 225 toneladas foi enviado para Nova York.

O seu projeto consistia em um sólido simples com vagas influências egípcias, de 27 metros de altura e fundações de 20 metros, de autoria do arquiteto norte-americano Ricardo Morris Hunt.

 

A CONSTRUÇÃO

 

 Os pilares foram erguidos em torno das paredes de um antigo forte, que recebeu como enchimento um imenso volume de concreto.

 

O ferro da estrutura reagiu, eletroliticamente, com o cobre da “pele” da estátua, o que causou sérios danos à estrutura até a década de 1980, que ainda foi agravado pela penetração da água da chuva nas chapas de cobre que se dilataram com o tempo, formando aberturas entre elas. Para sanar o problema, a estrutura do monumento foi trocada por aço inoxidável, o que levou um ano. Ao todo, foram trocados 3000 metros de barras da estrutura.

 

Na época em que foi construída, a estátua da liberdade era o monumento mais alto do mundo, com 92 metros, sendo capaz de oscilar 7,5 cm com um vento de 80 km/h, como um ótimo exemplo da combinação entre resistência e flexibilidade.

São 167 degraus de entrada até o topo do pedestal. Depois, são mais 168 degraus até a cabeça. Por fim, outros 54 degraus levam à tocha. A coloração verde-azul é causada por reações químicas, o que produziu sais de cobre e criou a atual tonalidade.

 

Registos históricos não fazem qualquer menção da fonte de fios de cobre usados na Estátua da Liberdade, mas suspeita-se que sejam provenientes da Noruega. Foi desmontada e enviada para Nova York, onde então foi montada no pedestal projetado pelo arquiteto americano e Maçom Richard Morris Hunt.

 

A Montagem da estátua teve três etapas: 

 

O pedestal foi construído pelos americanos entre 1884 e 1885. Seus pilares foram erguidos em torno das paredes de um antigo forte, que recebeu como enchimento um imenso volume de concreto.

O esqueleto da Lady Liberty é de ferro fundido: uma estrutura erguida em torno de dois pilares centrais, que sustentam as barras diagonais para fixar as placas de cobre.

 

As placas de cobre que formam a camada externa foram unidas com rebites. No miolo, há uma escada com 354 degraus (o elevador interno só vai até a plataforma, logo abaixo dos pés da estátua).

 

A estátua foi terminada em França em Julho de 1884 e chegada ao porto de New York, em 17 de Junho de 1885. Para se preparar para o trânsito, a estátua foi reduzida a 350 partes individuais e embalada em 214 containers de madeira. (O braço direito e a tocha, que foram terminados mais cedo, tinham sido exibidos na exposição Centennial em Filadélfia em1876, e depois disso no quadrado de Madison em New York City.) a estátua foi remontada no seu suporte novo num tempo de quatro meses.

 

Para tal, o navio Bay Ridge, levou para a ilha de Bedloy, onde hoje está erguida a estátua. Cerca de 100 maçons, onde o principal arquiteto do pedestal, o Maçom Richard M. Hunt, entregou as ferramentas de trabalho aos maçons construtores.

 

A estátua “ Lady Liberty” foi inaugurada em 28 de Outubro de 1886. O presidente Grover Cleveland presidiu a cerimônia em 28 de Outubro de 1886 e o Maçom Bispo Episcopal de New York fez a invocação. O Maçom Bartholdi retirou a bandeira francesa do resto da estátua. O principal orador da cerimônia foi o Maçom Chaucey M. Depew, senador dos Estados Unidos.

 

 A pedra fundamental foi então assente conforme ritualística maçônica, própria para estes eventos, e também um tributo prestado aos homens livres e de bons princípios, com reconhecida reputação internacional.

 

As peças que iriam compor a estátua chegaram ao porto de New York, em Junho de 1885; foram montadas sobre a estrutura construída por Gustave Eiffel.

 

* André Luis Guarizo

 

Publicado originalmente no Blog: https://verdadeirosirmaos.blogspot.com

"A verdade deve manifestar-se em nossos pensamentos, nossas palavras e nossas ações"
 
Mahatma Gandhi
"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"

 

Áureo dos Santos