A Pedra Polida

A Obediência convida os seus obreiros a desbastar a pedra bruta a fim de torná-la uma pedra polida, uma pedra preciosa. A cada obreiro é apontada uma pedra bruta que não é outra coisa senão ele mesmo.

Os que atendem ao convite logo descobrem que nada acrescentam a matéria prima do seu trabalho, mas ao contrário, retira as impurezas que ocultam e cobrem a pedra preciosa. Mestre Eckhart enfatiza que o obreiro “nada acrescenta a matéria prima, mas lhe retira alguma coisa, faz cair sob o seu cinzel todo o exterior e faz desaparecer as rugosidades e então pode resplandecer o que encontrava oculto lá dentro”.

O oculto é o homem novo, o homem interior, o homem nobre, o tesouro escondido no campo, ou outro nome que se queira dar ao Cristo que todo homem traz dentro de si.

Os obreiros cristãos sabem que São Paulo na sua Epístola aos Coríntios lembra que o homem exterior perece. O padre Leloup afirma que não poderia ser diferente “já que tudo que é composto, não poderia tardar em decompor-se”. O homem interior, a pedra polida, a pedra preciosa, o homem nobre, ao contrário, não cessa de renovar-se dia a dia.

Mestre Eckhart nos ensina que:

- Nenhuma alma racional é privada de Deus. A semente de Deus está em nós... Esta semente pode estar encoberta ou oculta, mas jamais aniquilada ou extinta. Ela é ardente, brilha, ilumina e queima, e tende sem cessa para Deus.

- O homem nobre toma e haure seu ser e toda a sua vida, toda a sua beatitude, unicamente de Deus, por Deus e só em Deus, não no conhecimento humano, mas na contemplação, no amor de Deus.

 - Por isto Nosso Senhor disse com toda razão, que a Vida Eterna consiste em conhecer a Deus como o único Deus verdadeiro, e não em saber que se conhece de Deus.

O que são as impurezas que devem ser desbastadas para que seja revelada a pedra polida?

Os manuais da Maçonaria referem-se aos vícios morais. Todavia, estes não são todas as impurezas possíveis e talvez as menos importantes. Do contrário os fariseus (de ontem e de hoje) seriam homens novos. Mas, não são.

A tradição tanto cristã, quanto budista, aponta para impurezas mais profundas, cuja remoção exige um crescente acumular de forças. É mesmo em função desta exigência que a Maçonaria se faz necessária na medida em que reúnem homens determinados a auxiliar os demais na busca do tesouro oculto.

As impurezas mais profundas são as derivadas do apego. Para tratar desta questão beberemos na fonte do budismo, na pessoa de Tenzin Gyatso, o décimo quarto Dalai-Lama (Mestre da Infinita Compaixão), nascido em 1935, numa família de camponeses em Takster, um vilarejo ao nordeste do Tibet.

A causa do Sofrimento

A causa de nossos sofrimentos é o apego, apego às coisas, às idéias, aos prazeres, ao que não é mais e ao que ainda não é. Estar desapegado é ser livre. Só aquele que ama sem apego pode se tornar livre. Não há verdadeira compaixão sem desapego. É preciso estar vazio de si mesmo para que os outros existam verdadeiramente.

A finalidade da Religião

A Religião é um instrumento que nos ajuda a controlar pensamentos. Sua finalidade é transformar pensamentos negativos e autodestrutivos, como a cobiça, o orgulho, a inveja, em seus contrários.

Tolerância Religiosa

Não afirmo que o budismo é o que há de melhor. Escolho o método de libertação que é o melhor para mim. Escolham aquele que é o melhor para vocês. O fato de haver uma grande diversidade de religiões no mundo é uma boa coisa.

Um coração humilde e doce não é propriedade de nenhuma religião, de nenhuma raça. Todas as pessoas, sem exceção, têm o dever e a capacidade de desenvolver em si mesmas esta doçura e esta compaixão que fará delas verdadeiros seres humanos.

Como desbastar a pedra bruta.

Desenvolve-se em si mesmo a compaixão pela clara visão da impermanência das coisas e pela meditação. É necessário desenvolver em nós um espírito calmo e pacífico. Pode-se então realizar a vacuidade servindo a todos os seres.

Não é preciso ser monge para se um ‘iluminado’. Pelo serviço a todos os seres, pode-se ser libertado do apego a si mesmo e realizar o estado do Buda, o estado de pura luz e de pura compaixão

A verdadeira compaixão começa quando alguém, não sofrendo mais por causa de si mesmo, se torna capaz de partilhar o sofrimento dos outros.

A felicidade

Só quando buscamos a felicidade para os outros é que encontramos a felicidade para nós mesmos. Compaixão e felicidade são as mesmas coisas.

Concluímos o presente artigo, após uma porta aberta ao budismo, voltando as nossas raízes cristãs, pois se desbasta a pedra bruta cultivando o enraizamento (terreno, voltado para a terra natal) e a abertura (alado, voltado para o alto).

A tradição cristã, também, nos ensina que o apego, seja ele a coisas, a pessoas, a idéias ou a representações, é o primeiro obstáculo para desvelar o oculto. Mestre Eckhart assegura que “mesmo o apego à nossa saúde, à nossa realização tão necessária aos primeiros momentos da vida espiritual pode torna-se um entrave”.

Conforme o testemunho de Matheus (19,29), Jesus é mais claro ainda: “E todo aquele que tiver deixado casas ou irmãos, ou irmãs, ou mãe, ou filhos, ou terras, por causa do meu nome, receberá muito mais e herdará a vida eterna”.

Este artigo não poderia ser concluído sem fazer um apelo aos amados irmãos que, muitas vezes pelo extremando zelo pela Loja Maçônica, desenvolvem um grande APEGO a cargos, títulos, diplomas, aventais, alfaias, jóias, e outros paramentos. Outras vezes ficam magoados por não serem ouvidos, demonstrando assim um extremado apego ao ego. Escutem. Tudo isto é impermanência, ilusão. Muitas vezes, apenas fantasias para ocultar a pedra bruta, de modo a fazê-la parecer uma pedra polida. Ilusão, não mais do que ilusão.

Autor

Hiran Melo.

"A verdade deve manifestar-se em nossos pensamentos, nossas palavras e nossas ações"
 
Mahatma Gandhi
"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"

 

Áureo dos Santos