A religião é o ópio do povo: o contexto da polêmica afirmação de Marx

 

Uma das afirmações mais conhecidas - e também mais polêmicas – de Marx é a de que a religião é “o ópio do povo”. Para compreendermos o que Marx queria dizer com isso, devemos colocar a citação em seu contexto.

Esta frase aparece nos primeiros parágrafos da introdução à Crítica da filosofia do direito de Hegel, escrita entre o fim de 1843 e início de 1844. Marx começa este texto afirmando que, na Alemanha, a crítica da religião já estava concluída, e que esta é o pressuposto de toda crítica. 

Por que Marx afirma que a crítica já estava concluída? Quem a havia levado a cabo? Ele tem em mente  aqui Ludwig Feuerbach, que havia lançado três anos antes, em 1841, a obra A essência do cristianismo. O objetivo de Feuerbach era mostrar que a teologia é uma antropologia invertida – que o conteúdo da religião sempre dizia respeito ao próprio homem. Podemos perceber a influência de Feuerbach logo no segundo parágrafo da introdução, quando Marx diz, por exemplo, que o homem busca um super-homem (Übermensch) na realidade fantástica do céu, mas que só encontrou ali um reflexo de si mesmo. Feuerbach havia afirmado, por exemplo, que "a religião, pelo menos a cristã, é a relação do homem consigo mesmo, ou mais exato: com sua essência."

Algumas linhas abaixo Marx afirma que o fundamento da crítica irreligiosa é que o homem faz a religião, e não o contrário. A religião, afirma Marx, é a autoconsciência do homem que se perdeu ou ainda não se encontrou. As alusões a Feuerbach são claras, mas ele acrescenta então algo original: este “homem” de que fala Feuerbach não é nenhum homem abstrato, mas o mundo do homem, o estado e a sociedade. Feuerbach havia utilizado o termo alemão Gattunsgswesen para se referir ao gênero humano que aparece de forma fantástica na religião. Marx não trabalha com este pressuposto abstrato, metafísico, mas coloca em seu lugar um homem concreto, social. Ele afirma que é este estado, que é esta sociedade que produzem a religião, esta autoconsciência invertida.

A religião é também uma forma simplificada de compreender o mundo. Nas palavras de Marx, ela é, para o homem religioso, sua teoria geral do mundo, seu compêndio enciclopédico e sua lógica em forma popular. Uma afirmação semelhante seria feita anos depois por Nietzsche, para quem o cristianismo é um platonismo para o povo. Para mostrar como Marx segue de perto as reflexões de Feuerbach em A essência do cristianismo, citamos mais um trecho desta obra:

"a religião é a primeira e, de fato, a autoconsciência indireta do homem. Ela sempre precede a filosofia, seja na história da humanidade, seja na história do indivíduo. O homem coloca o seu ser primeiramente fora de si, antes que ele o encontre. Sua própria essência é, inicialmente, objeto para ele como uma outra essência. A religião é a essência infantil da humanidade, mas a criança vê a sua essência, o homem, fora de si. [...] O homem se objetificou, mas não reconheceu o objeto como sua própria essência." (FEUERBACH, Ludwig. Das Wesen des Christentums. Tradução nossa.)

Tendo em vista que a religião é produto de um homem concreto e social, Marx faz então uma afirmação esclarecedora: a luta contra a religião é uma luta indireta, mediada, contra aquele mundo do qual a religião é o aroma espiritual. A miséria religiosa é a expressão da miséria real e também um protesto contra esta. Ela é o suspiro do ser oprimido, ela é o ópio do povo. Esta metáfora de Marx quer dizer que a religião é uma espécie de anestésico para aliviar o homem de seu sofrimento real.

É importante não perder de vista os dois aspectos da religião que Marx aponta neste trecho: se por um lado ela é expressão da miséria real, ela também é, por outro, um protesto contra este mundo. É o reconhecimento de que este mundo não é bom o suficiente, e que o homem merece um destino melhor. A análise que Engels fará posteriormente de Thomas Münzer, líder da reforma protestante, destaca este segundo ponto. Münzer foi da ala de oposição a Martinho Lutero, liderou os camponeses pobres nas guerras camponesas e exigia, em seus sermões, a instauração do reino de Deus nesta terra, aqui e agora, sem classes sociais e sem propriedade privada.

Marx via a supressão da religião, enquanto felicidade ilusória dos homens, como uma exigência de sua felicidade real. A questão aqui diz respeito ao papel, à função social da religião. A exigência de abrir mão das ilusões sobre a própria situação é a exigência de abrir mão de uma situação que precisa dessas ilusões. A crítica da religião é, em seu cerne, a crítica do "vale de lágrimas" cuja aparência divina é a religião.

Não faz sentido, por isso, afirmar que Marx tinha como objetivo extinguir as religiões pelo fato de elas se ocuparem com o divino ou com a transcendência. Uma compreensão adequada do contexto no qual Marx afirma que a religião é o ópio do povo mostra que ele a compreendia como produto, como efeito da alienação social, e o que deve ser atacado são suas causas, suas raízes. O mais importante, aqui, não é a religião em si, mas aquela situação social que precisa da existência das religiões para humilhar, oprimir e subjugar o homem. Combater a religião sem atacar suas raízes sociais significaria combater os efeitos de um fenômeno deixando intactas as suas causa. Uma vez combatida a miséria produtora da religião, talvez seja apenas questão de tempo para que ela também desapareça.

Glauber Ataide

Fonte: https://www.filosofiaepsicanalise.org/

"A verdade deve manifestar-se em nossos pensamentos, nossas palavras e nossas ações"
Mahatma Gandhi
"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"

 

Áureo dos Santos