9 de julho: Epopeia Paulista

“Aos épicos de Julho de 32, que,

fiéis cumpridores da sagrada promessa

feita a seus maiores – os que 

houveram as terra e as gentes por

sua força e fé – na lei puseram sua

força e em São Paulo sua Fé.”

 

Guilherme de Almeida

 

Sobre a Revolução Constitucionalista de 1932, irradiada de São Paulo, muita coisa poder-se-ia dizer.  Apesar de passados tantos anos, esse movimento ainda provoca polêmicas.  As causas e as razões mudam, de acordo com o ponto de vista de quem tenta escrever a História.  Entretanto, uma coisa é inquestionável:  a guerra foi deflagrada contra aqueles que, depois da Revolução de 30, queriam servir-se dela para perpetuarem no poder.

 

Os paulistas ficaram decepcionados com os rumos da Revolução de 30, que fez com que a desordem administrativa e o fortalecimento central imperassem, prejudicando a autonomia do Estado.  Havia, ainda, o agravamento da crise econômica, que veio se somar às agitações proletárias e a humilhante ocupação militar.

 

Ao contrário do que se apregoou na época (e que muitos ainda, infelizmente, repetem) não foi um movimento separatista.  Naqueles dias, sob a ditadura de Getúlio Vargas, o tema foi intensamente explorado pelo Governo Federal para obter os reforços e coesão dos demais Estados contra São Paulo.

 

O estopim da mobilização popular foi a missão de Oswaldo Aranha, que em Maio de 32 foi incumbido de promover a reforma do secretariado de Pedro de Toledo, então interventor de São Paulo.  Essa medida foi tida como intromissão na vida política paulista.  O povo é convocado para manifestar-se na Praça do Patriarca no dia 22 de Maio.  Após alguns discursos, a massa humana se inflama e rompe-se a passeata.  O exército promete não atirar contra o povo  A marcha segue para o bairro da Luz e a cavalaria, na tentativa de dispersar a multidão, deixa alguns feridos.  O conglomerado segue, então, para o Palácio dos Campos Elíseos, sede do governo estadual, e pressiona o interventor Pedro de Toledo.  Este pede vinte e quatro horas para resolver a questão a contento.

 

No dia seguinte, 23 de Maio, demonstrando sua insatisfação com a demora em solucionar o problema, o comércio cerra as portas.  Novamente, o povo vai postar-se defronte ao Palácio e, inteirando-se das liberações lá tomadas, ruma para o centro.  No caminho jornais simpatizantes à ditadura são empastelados.  A sede do Partido Popular Paulista, que apoiava o Governo Federal, que ficava na praça da República, é atacada.  Há revide com disparos de tiros contra a multidão.  Vários manifestantes são atingidos e morrem Mário Martins Almeida, Euclides Bueno Miragaia, Dráusio Marcondes Souza e Antônio Américo Camargo Andrade.  Com as iniciais desses quatro heróis compõem-se o MMDC, entidade que passou a congregar todas as organizações civis e secretas para combater a ditadura.  O movimento, estrategicamente,  armado estruturou-se através de uma central secreta. 

 

Muitos alegam que nessa homenagem aos heróis, foi esquecido o nome de um mineiro de Muzambinho, Orlando Oliveira Alvarenga, e, que a sigla deveria ter sido MMDCA.  Alvarenga foi gravemente atingido por metralhadora no mesmo embate;  socorrido pelo acadêmico Silveira Peixoto, foi conduzido a um consultório médico e, de imediato, transferido para o Hospital Santa Rita, vindo a falecer após meses de a atroz sofrimento.  Quando da formação da sociedade, somente Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo haviam falecidos.  

 

O MMDC conclamou o povo conseguindo sensibilizar o opinião pública.  A bandeira MMDC mexeu com o brio dos paulistas dando-lhes coragem para mobilização geral para pegar em armas e lutar por um direito, lutar pela Constituição do Brasil.

 

Às 11:40h do dia 9 de Julho de 1932, um sábado, estourava a revolução armada sob a direção militar do coronel Euclides Figueiredo.  A coordenação civil, inclusive os trabalhos de retaguarda, esteve sob a orientação da Maçonaria que, entre os seus membros, contava com personalidades proeminentes da política, indústria, comércio e imprensa.

 

As emissoras de rádio exerceram papel político preponderante, jamais visto no Brasil.  E houve um locutor que se destacou como porta-voz do movimento:  César Ladeira.  Como o Estado de São Paulo não possuía um hino, César Ladeira começou a tocar o dobrado “Paris-Belfort”, que havia sido criado na França, quando da Primeira Grande Guerra Mundial, com objetivo ufanista.  O dobrado “Paris-Belfort”  acabou tornando-se hino de guerra de São Paulo e um dos símbolos da Revolução Constitucionalista.

 

Menos de três meses duraria a revolta, mas o bastante para mostrar uma sucessão de lances heróicos, de abnegação e táticas desesperadoras diante da maioria numérica do inimigo.  Soldados, precariamente armados, enfrentando com inaudita coragem os aviões do ditador, revelaram o indômito espírito paulista e a glória de combater pelo Brasil !  Apesar do prometido apoio de outros Estados, São Paulo ficou sozinho e não conseguiu avançar além da divisa com o Rio de Janeiro.

 

Há que se destacar a participação da Mulher Paulista nesse importante acontecimento histórico.  As virtudes cívicas e morais da Mulher Paulista, reveladas nos três meses da Revolução Constitucionalista foram de grandeza e esplendor, tendo sido o verdadeiro esteio desse movimento admirável e arrebatador.  Ela também ajudou a escrever páginas brilhantes e inesquecíveis da campanha Constitucionalista, dando provas diárias, como os homens, de devotamento e dedicação.

 

Em 1° de Outubro, sábado, celebrou-se a Convenção Militar, e a Força Pública do Estado de São Paulo, obediente, deixou as trincheiras, obrigando a cessação da luta armada.

 

A amargura da derrota, nas armas, foi transformada em júbilo de vitória quanto aos objetivos:  Os vencidos obrigaram os vencedores à convocação da Assembleia Constituinte.  Houve fugas, prisões e exílio, mas o movimento tornar-se-ia, moralmente, vencedor.  Os paulistas não tinha lutado em vão.  

 

A Revolução Constitucionalista de 1932, ainda que derrotada no campo de batalha e a despeito das controvérsias que, ideologicamente, possa provocar, foi, sem dúvida, o maior, o mais importante e o mais espontâneo movimento cívico ocorrido no Brasil !

 

 

 

Bibliografia:

    Donato, H. - A Revolução de 32

      Rodrigues J. - A Mulher Paulista no Movimento Pró Constituinte

        Coleção Nosso Século  -  Abril Cultural

          D. O. Leitura - Junho ’92

            O Globo - 07.07.82

              O Estado de S. Paulo - 09.07.82

                Jornal da Tarde 08.07.82   

 

 

 

E. Figueiredo – é jornalista – Mtb 34 947 e pertence ao

CERAT – Clube Epistolar Real Arco do Templo/

Integra o GEIA – Grupo de Estudos Iniciáticos Athenas/

Membro do GEMVI – Grupo de Estudos Maçônicos Verdadeiros Irmãos/

Integrante do Grupo Maçonaria Unida

 

Obreiro da ARLS Verdadeiros Irmãos – 669 – (GLESP)

"A verdade deve manifestar-se em nossos pensamentos, nossas palavras e nossas ações"
 
Mahatma Gandhi
"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"

 

Áureo dos Santos