Alemanha - o peso da história

Por John Moses Braitberg.

Se existe um país onde a Maçonaria é particularmente discreta, este país é a Alemanha. E imediatamente imaginamos os motivos. Mas, como sempre, a verdade da história é muito mais complexa que sua narração.  Nascida em meio à efervescência romântica, a maçonaria alemã desde o início preferiu as sombras do esoterismo às luzes da razão. Nesse sentido, acompanhou a corrida louca ao abismo mais do que se opôs.  Mas, como todo o povo alemão, a Maçonaria também conseguiu mostrar uma resistência surpreendente e saudável. 

Um século atrás, em 1918, quando a Alemanha se ajoelhou sob os termos do armistício, não foi apenas o estado imperial que foi humilhado, foram também os valores, as tradições, enfim, tudo o que faz a alma de um povo, que foi pisoteado sob a bota dos vencedores.  Imediatamente, a Alemanha profunda, que acreditava apenas em sua vitória, imaginou que sua derrota só poderia ter sido causada por alguma maldição secreta, um complô tramado por uma mão oculta, necessariamente estrangeira. Foi Karl Heise, um alemão residente na Suíça, que publicou pela primeira vez um livro “A Maçonaria da Entente e a Guerra Mundial” em que acusava principalmente as lojas americanas por terem pressionado os EUA a entrar na guerra. Note-se de passagem que o livro foi prefaciado pelo pai da antroposofia e da biodinâmica Rudolf Steiner.
Este lembrete não é inútil, se alguém quiser entender o clima de confusão intelectual que reinou na Alemanha após a Primeira Guerra Mundial, que o escritor Alexandre Vialatte descreveu com humor : “Os farmacêuticos da alma social, caracteólogos, fitoterotistas e outros neo-asiatistas tinham feito uma fortuna a princípio distribuindo ao povo as pastilhas suavizantes do budismo e os vinhos reconstituidores do wotanismo. Havia deprimido e excitado, delirantes e estúpidos; ambos os remédios fizeram furor.
As mercearias vendiam, dizem-me, Budas de sabão para popularizar nas cozinhas o culto dos ritos vegetarianos. (…) Já não sabíamos mais a que mito se dedicar, a que ópio, a que magia. (…)
E essa foi uma visão bastante surpreendente para o observador perspicaz, aquele da Alemanha à deriva que, abruptamente, abandonada pelos seus deuses, ressuscitada em pleno século XX, para o seu consumo pessoal e exclusivo, um Wotanismo de conserva que os anos não haviam mofado. ”
Se o livro anti-maçônico de Heise teve apenas um eco relativo, as acusações que ele fazia contra os maçons foram amplamente retomadas nos anos que se seguiram por uma personalidade de outro calibre.
Foi de fato o general prussiano Erich Ludendorff, general em chefe dos exércitos alemães durante a guerra, que popularizou a ideia da conspiração maçônica contra a Alemanha em um livro “Aniquilação da Maçonaria pela revelação de seus segredos” vendido às centenas de milhares de exemplares. Ali ele apontava desordenadamente os responsáveis pela derrota que eram aos seus olhos a Maçonaria, instrumento da conspiração judaica mundial, mas também a América, os jesuítas e a Igreja Católica. O mais engraçado, se é que se pode dizer isso, é que Ludendorff, que apoiara Hitler em 1923 e havia estado no Reichstag como nacional-socialista, foi acusado em 1927 pelo futuro ditador de ser, ele mesmo, um maçom. Não foi sem razão se colocarmos em perspectiva a evolução intelectual de Ludendorff e os fantasmas esotérico-ocultistas que assombravam por muito tempo a Alemanha, inclusive a Maçonaria. Depois de ter ser definitivamente queimado com Hitler, Ludendorff fundou uma seita neo-pagã para o “conhecimento de Deus”, a Tannenbergbund, a União de Tannenberg, em referência à Batalha de Tannenberg, na Prússia Oriental, que viu o as tropas alemãs triunfarem sobre os russos em 30 de agosto de 1914 e que fora interpretada como uma intervenção divina para vingar os cavaleiros teutônicos que, quinhentos anos antes, haviam sido aniquilados pelos poloneses-lituanos no mesmo campo de batalha. Assim, transpunha em pleno século XX, a memória dos cavaleiros teutônicos, estes Templários da ordem alemã, tanto era forte a sede de vingança de um país pronto a se agarrar à primeira lenda saída do passado para se dar uma razão para acreditar no futuro.
A influência real de correntes e seitas teosóficas, neo-templárias, nordicistas, wotânicas, ariósofas, “armanistas” ou criptobudistas, descritas em particular pelo historiador inglês Nicholas Goodrick-Clarke, pode não ter sido tão importante que algumas delas forma reivindicadas na elaboração do Nacional-Socialismo. É certo, por outro lado, que essas correntes foram por muito tempo o terreno fértil em que prosperou uma “weltanschaung”, uma visão do mundo muito peculiar ao pensamento alemão, comum tanto às ordens maçônicas quanto aos seus piores inimigos.
Em um livro, o autor belga Arnaud de la Croix retorna a Karl Heise, que era membro da Sociedade List, fundada pelo austríaco Guido von List (1848-1919). Sem nos determos aqui na personalidade complexa desse ocultista, que inventou uma espécie de religião germanista, a “Armanenschaft”, uma espécie de culto solar dos antigos germanos, lembremos que em seu delírio esotérico List alegava que a antiga tradição dos antigos padres germanos que ele chamava os “armanes” de terem sido, depois de sua perseguição pelos cristãos, sucessivamente transmitidos àqueles ’iniciados” que teriam sido os Cabalistas, os Templários, os Rosacruzes, os Alquimistas, e finalmente … os Maçons. Estranhamente, enquanto o ritual da Ordem Superior dos Armanes foi retomado por Himmler no ritual de iniciação das SS, Guido von List alegava ser a reencarnação de Johannes Reuchlin (1455-1522), o primeiro estudioso de hebraico alemão não judeu, que convenceu com sucesso o Papa Leão X a se opor à queima pelo fogo dos livros judaicos então desejada pelos dominicanos. A triste ironia da história é que durante os rituais sombrios pagãos inspirados pelas ideias de Von List e outros ocultistas, que foram cometidos os autos da fé de livros judaicos na Alemanha de Hitler.

Um Esoterismo Germano-compatível
Da mesma forma, René Guénon convocou, ao mesmo tempo, na França, a luta contra os maçons contemporâneos que se haviam tornado, segundo ele, infiéis à vocação iniciática da Maçonaria, List e com ele toda uma corrente de esoterismo germano-compatível punha-se a imaginar antigas raízes ocultistas da Maçonaria, em que era necessário se inspirar para a combater no presente. É preciso dizer que, com o episódio da Estrita Observância dos Templários, os maçons alemães foram os primeiros a alimentar a ideia de um retorno tanto ao passado mítico quanto ao passado mirífico.
Segundo as ideias de List, foi por volta de 1910 que certos nacionalistas tiveram a ideia de criar uma organização secreta germânica e antissemita sobre o modelo das lojas maçônicas. Retomando a antiga antífona propagada pelo “Protocolos dos Sábios de Sion”, os promotores desta iniciativa consideraram que a Maçonaria era o braço secular que permitia aos judeus afirmar sua dominação sobre o mundo em geral e a Alemanha em particular.
A novidade era que, segundo eles, a Maçonaria só poderia ser combatida vitoriosamente por uma organização secreta similar.  Abordagem que lembrava a dos Illuminati da Baviera. Assim foi criada a sociedade secreta da Germanenorden.
Em uma carta de 1911, um de seus membros, Johannes Hering, declarou a Stauff, outra figura de proa da organização, que ele era maçom desde 1894, mas que essa “antiga instituição germânica” havia sido corrompida pelas ideias dos judeus e arrivistas: ele concluía que seria vantajoso para os antissemitas proceder ao renascimento de uma loja ariana. A partir de 1912, a Germanenorden se espalhou para o norte e leste da Alemanha e, a partir de 1916, o boletim oficial da ordem trazia na capa uma suástica com galhos curvos sobrepostos em uma cruz, chamada ” Cruz de Wotan”.
Será lembrado desta organização que teve como membro Rudolf von Sebottendorf (1875-1945).  Nascido Rudolf Glauer antes de ser supostamente adotado pelo Barão Sebottendorf, este aventureiro, apaixonado por arqueologia e orientalismo viajou para a Turquia, onde conheceu a família Termudi, judeus de Salônica, cujo pai, renomado cabalista esforçava-se para reatar a Cabala à tradição Rosacruz e Alquimista. Os Termudi eram maçons, pertencentes a uma loja francesa praticando o rito de Memphis.  Glauer-Sebottendorf foi iniciado em sua loja. Depois de várias aventuras no Oriente Médio, o aventureiro retornou à Baviera em 1916 e criou em 1918 um ramo cismático da Germanenorden que ele transformou em “Sociedade Thule” em referência às terras do norte descritas na antiguidade, que se imaginava terem sido o berço da “raça” ariana. Originalmente uma loja simples dentro da Germanenorden, a sociedade Thule defendia o antissemitismo, o antirepublicanismo, o paganismo e a ideia de castas baseadas na raça.
Muito se estudou sobre a influência real ou suposta da sociedade Thule no estabelecimento do nacional-socialismo. A única coisa que sabemos com certeza é que um de seus membros, o jornalista Karl Harrer, estava na origem do Deutscher Arbeitpartei, Partido dos Trabalhadores Alemães, que Hitler assumiu em 1919 antes de expulsar Sebottendorf e Harrer.
Não se pode pintar o retrato de uma Alemanha nas garras dos demônios do esoterismo, com as trágicas consequências que conhecemos, sem mencionar o que aconteceu naquele tempo dentro da Maçonaria. E é óbvio que a maçonaria alemã não só havia estabelecido as bases dessa tendência por um longo tempo, mas, com pouquíssimas exceções, a acompanhou ao ponto de fazer parte dela.

Desvio maçônico
No entanto, sem a eclosão da Primeira Guerra Mundial, as coisas poderiam ter sido diferentes. Depois que as relações com a maçonaria francesa foram rompidas, após a anexação da Alsácia-Lorena, elas foram retomadas sob a égide da Suíça. A partir de 1902, no Congresso Maçônico de Genebra, o Grão-Mestre da Grande Loja da França trocou um abraço fraterno com o da Grande Loja de Bayreuth.  Em 1906, as principais Grandes Lojas Alemãs estabeleceram relações com o GLDF e, no ano seguinte, o Grande Oriente da França votou pela abolição da caixa negra que, em seu diretório, cercava a lista de lojas separadas da Alsácia e do Mosela. A providência foi recebida positivamente pela maioria das Grandes Lojas do outro lado do Reno, com exceção das três grandes lojas prussianas.  Esta foi, sem dúvida, uma posição tática visto que os prussianos foram a Londres em 1912 para restabelecer as relações de reconhecimento mútuo com a Grande Loja Unida da Inglaterra. Mas essa melhora foi de curta duração.  Assim que a guerra eclodiu, a Grande Loja de Berlim Royal York sur Freundschaft, removeu o termo York do seu título distintivo.
Para se ter uma ideia do espírito que prevalecia em grande parte da maçonaria alemã durante os anos 1914-1918, bem como nos anos seguintes, citemos o extrato de um artigo publicado em 1917 em o órgão da Grosse Landesloge – Grande Loja Nacional -. Atribuindo a responsabilidade pela guerra à “maçonaria internacional”, a loja declarou: “99% daqueles que se dizem maçons sobre a terra sempre serão nossos inimigos hereditários”. Talvez possamos entender melhor esta surpreendente afirmação se soubermos que a Grande Loja Nacional, fundada em 1770 por Zinnendorf, que havia sido o mais zeloso propagador da Estrita Observância Templária antes de deixá-la, não reivindicava a herança “compagnonique” de Anderson, mas se definia como uma ordem cristã herdada dos templários que supostamente haviam se refugiados na Escócia.
Já na década de 1920, a Grande Loja Nacional, como as outras grandes lojas da Prússia, protestou por sua inocência quando a Maçonaria foi acusada de ser o instrumento dos judeus. Essas lojas não somente se recusaram sempre a iniciar alemães de confissão judaica, como também deram prova de superar as lojas chamadas “humanitárias” que, na Renânia, haviam concordado em iniciar os judeus desde o início do século XIX, a exemplo da loja de Frankfurt-on-the-Main, “Zur aufgehenden Morgenröte” – Em direção ao amanhecer – que iniciou o poeta Heinrich Heine e seu pai.
Quando, em 1920, a Federação de Lojas “Humanitárias” do Sol Nascente, que manifestava abertamente suas convicções pacifistas e internacionalistas formalmente solicitou restabelecer relações com a Grande Loja da França, a Grande Loja Nacional se rebelou e escreveu na imprensa. (…) que concorda com todas as Grandes Lojas Alemãs, que compartilham suas convicções patrióticas e cristãs, de abominar as desavergonhadas associações de pacifistas e grosseiros internacionalistas que negaram sua pátria e incorreram em desprezo público sonhando descontroladamente com a fraternidade universal. ”
Esse movimento foi geral nas grandes lojas da Prússia.  Em 1923, a Grande Loja Zur Freunstaft – da Amizade – que já havia retirado de seu título a referência a York, modificou sua constituição. Seus objetivos eram, a partir de então, “despertar, nutrir e propagar os princípios do cristianismo e os do idealismo, da religiosidade, das maneiras, do senso de fraternidade e do patriotismo alemão”.  Em 1924, uma de suas lojas em Regensburg adotou a suástica como um símbolo maçônico.  Em 1925, várias lojas líderes na luta nacionalista e antissemita tomaram a iniciativa de criar círculos para combater a influência das lojas humanitárias pacifistas. Alguns maçons, como o Pastor Hepp do círculo de Wetzlar em Hesse, chegaram a afirmar que a Maçonaria era inquestionavelmente de origem alemã e que a Maçonaria Inglesa descendia dela …

Uma resistência tímida

No dia de São João de 1926, a Grande Loja Nacional alegou que ela se tratava de uma barreira contra aqueles que “querem negar as diferenças entre as raças desejadas pelo Criador”. Em 1928, Leo Müffelman, um dos poucos líderes maçônicos que se opuseram a esse discurso, foi forçado a renunciar de sua loja de Bayreuth por dar o tríplice abraço em Arthur Groussier, Grão-Mestre do Grande Oriente da França, em um congresso maçônico que foi realizada em Belgrado.
Neste contexto aterrador, uma resistência tímida é organizada no seio dos Altos Graus. Ou melhor, aqueles que se opunham ao desvio nacionalista e antissemita se apoiarão na maçonaria francesa, holandesa e austríaca para criar um Conselho Supremo. Léo Müffelmann estava na origem dessa iniciativa corajosa. Em 1930, o relatório de instalação elaborado pela delegação holandesa refletia com precisão o espírito que prevalecia no Conselho Supremo: “(…) nossa convicção é que os homens de honra declaram abertamente a luta contra o o espírito nacionalista e dogmaticamente cristão que reina na Maçonaria alemã. ”
Ao mesmo tempo, cerca de 600 maçons membros da Federação do Sol Nascente criaram sua própria obediência, a grande Loja Simbólica da Alemanha.  Nenhuma obediência alemã estabelecida aceitará patrociná-la e ela foi considerada irregular até o final da Segunda Guerra Mundial. É sobre essas poucas centenas de maçons, e somente eles, que descansará até 1945 a honra da maçonaria alemã.
Porque nos anos 1930, não somente as principais obediências alemãs não se opuseram a Hitler, mas foram também atacadas de servilismo em face da ascensão irresistível do nacional-socialismo. Em 1930, após uma eleição muito favorável aos nazistas, a Grande Loja Alemã se proclama Deutsch-christlicher Orden – Ordem Cristã-Alemã -. Diante dessa situação, Müffelmann continua afirmando ser necessário lutar contra todos os totalitarismos e, em primeiro lugar, contra o nazismo. Para fazer isso, ele estende a mão à Igreja Católica, com a qual ele declara compartilhar os mesmos valores humanísticos. Mas ele está muito sozinho.  Muitos membros das lojas de Berlim e da Prússia, esmagadoramente protestantes, serão seduzidos pelo movimento dos cristãos alemães – Deutsche Christen – que assumiram a missão de “desjudaizar” os Evangelhos, inventando um Cristo ariano. Eles tomarão o poder nas igrejas protestantes três meses depois de Hitler chegar ao poder em 30 de janeiro de 1933.  Em 21 de março, quando a República de Weimar será oficialmente encerrada, os Grão-Mestres da Grande Loja da Saxônia e os das três Grandes Lojas Prussianas enviarão telegramas de congratulações a Hitler, que os agradecerá educadamente.
Naturalmente, os membros da Grande Loja Simbólica, considerados como pestilentos pelas outras obediências, serão muito rapidamente incomodados por sua oposição ao nazismo. Seus líderes, incluindo Müffelmann, presos e brutalizados pela Gestapo, serão libertados logo após a intervenção do Grande Comandante do Supremo Conselho dos Estados Unidos.  A partir de então, Müffelmann não teve outra escolha senão colocar a Grande Loja Simbólica e o Conselho Supremo para a Alemanha para adormecer enquanto mantinha uma loja e um capítulo no exílio na Palestina onde a Grande Loja simbólica já estava estabelecida. De volta à Alemanha, Müffelmann morreria logo depois, devido aos maus-tratos infligidos pela Gestapo.

Comportamento indigno

Para aqueles e aquelas que trazem no coração a ideia de que os valores maçônicos se baseiam apenas em ritos de outra época, em belas palavras e juramentos folclóricos, a leitura dos comunicados dirigidos aos nazistas entre 1933 e 1935 pelas obediências alemãs, bem como seu comportamento, proporciona, mais de duas gerações depois, um sentimento misturado com desgosto e raiva.
11 de abril de 1933: a Grande Loja Nacional decide mudar seu título e chamar-se, doravante, Ordem Cristã-Alemã dos Templários. A Grande loja mãe  Os três globos – Zu den drei Weltkugen – fundada em 1740 sob o reinado de Frederico o Grande, ele próprio iniciado em 1738, deixa de existir como uma ordem maçônica e se torna a Ordem Nacional-Cristã Frederico o Grande. No dia seguinte, essa mesma loja se dirige aos líderes do partido nazista nestes termos: “Por quase duzentos anos, nossa ordem sempre se recusou a aceitar judeus (…). Acreditamos que não há razão para negar a entrada de nossos membros no Partido Nacional-Socialista.  Nós não somos maçons.  Deixai o caminho aberto a vinte mil homens com sentimentos patrióticos, para colaborar na construção do estado nacional-socialista “.
19 de abril: uma circular vinda da mesma Loja declara “(…) não somos mais maçons. (…) recebemos tantas respostas das lojas que já temos uma maioria de dois terços a favor de nossas mudanças.  “ No mesmo dia, a Loja Zu Freundschaft – Amizade – se renomeia Ordem de Amizade Cristã-Alemã e declara: “Somente homens de ascendência ariana podem ser os membros da ordem . Judeus e marxistas são excluídos.  O juramento de segredo não existe mais. A Ordem é uma escola de líderes, o berçário de uma comunidade cristã-alemã que preserva a preciosa tradição espiritual dos antigos alemães para servir à construção do novo estado. ”
20 de abril: Em um comunicado conjunto, a Ordem de Frederico, o Grande, e a da Amizade, anunciam que adotam a suástica como uma insígnia dos mestres de loja e como um símbolo de luz.
Páscoa de 1934: um memorial da Ordem da Amizade declara: “Servimos fielmente a Adolf Hitler, colocamo-nos no terreno das ideias nacional-socialistas”.
Apesar dessas negativas, estas baixarias e estas covardias sem nome, nenhuma dessas ordens será aceita pelos nazistas que decretarão a proibição de todas as sociedades secretas ou iniciáticas por decreto de 17 de agosto de 1935.

A lenda da perseguição

 

Tal como as diferentes lendas que fundaram a Maçonaria no final do século XVII, a Maçonaria Alemã, parcialmente reunificada num país dividido em zonas de ocupação, propôs-se a renascer após 1945 com base em uma nova lenda: a de uma maçonaria resistente perseguida pelos nazistas. Em janeiro de 1949, um comunicado dirigido à Maçonaria universal, mas principalmente para os maçons americanos que enviam socorro aos seus irmãos alemães é elaborado por um grupo de lojas, exceto as da Grande Loja Nacional: “O nacional-socialismo, que em 1933 varreu as lojas maçônicas alemãs, infligiu terríveis feridas à cultura humana.  Mesmo que ninguém em nossas fileiras tenha participado desses crimes, (…) apesar de muitos de nós sermos oponentes e vítimas deste Reich, o fato é que, como alemães estamos cientes de nosso dever de contribuir com todas as nossas forças para a cura das feridas (…). “ Assim nasce a lenda, ainda viva hoje de uma maçonaria perseguida pelo regime. Enquanto que, na realidade, ela sofria especialmente por ter sido excluída. Também não nos surpreenderemos ao saber que em 1949, um certo Erich Awe, fundador do Círculo de Bielefeld na Renânia do Norte-Vestfália, entrou no Conselho Supremo da Alemanha com o título de grau 33, quando ele fora o fundador do círculo de Bielefeld reunindo maçons antissemitas e nacionalistas, determinados a combater a influência das lojas pacifistas.
Será preciso esperar até a década de 1960 para que esse passado indigno fosse trazido à luz quando Walther Hörstmann se candidatou ao cargo de Grande Comandante do Supremo Conselho. Este último havia se demitido da Ordem Cristã-Alemã – antiga Grande Loja Nacional – para poder entrar no partido nazista. Mas em vez de culpar seu engajamento, o Supremo Conselho revelou a existência de um acordo, mantido em segredo até então, “segundo o qual os eventos ocorridos entre 1920 e 1935 seriam cobertos com o manto do esquecimento e passariam em silêncio”.
A história da Maçonaria alemã desde o pós-guerra até meados da década de 1990 foi menos marcada pela evocação de seu passado sulfuroso do que pela constante rivalidade entre Grandes Loges pelo reconhecimento da regularidade inglesa, da qual seria tedioso repetir a lista de voltas e reviravoltas. Existem atualmente cinco principais obediências na Alemanha agrupadas em uma federação, “As Lojas Unidas da Alemanha” – Vereinigte Großlogen von Deutschland – VGLvD – que garante a ancoragem na “regularidade” com a Grande Loja Unida da Inglaterra. Mas a situação é muito mais complexa.  Esta unidade, real no plano administrativo não foi capaz de apagar mais de duzentos e cinquenta anos de diversidade e complexidade. Diversidade devido à fragmentação política da Alemanha; complexidade devido à história que legou à maçonaria alemã ritos e tradições às vezes totalmente opostos. De fato, as lojas alemãs têm grande liberdade na escolha de seus ritos e suas relações com as lojas “irregulares”, desde que permaneçam discretas.  Assim, falamos com o venerável de uma loja “regular” da Renânia geminada desde 1967 com uma loja de Reims do Grande Oriente da França.  Mas ele precisou permanecer anônimo por temer a revelação pública do que todo mundo sabe dentro de sua obediência. Ou seja, que devido a essa geminação, realizada na época da reaproximação franco-alemã desejada por De Gaulle e Adenauer, os membros de uma e outra loja se concedem os mesmos direitos, ou seja, para os da loja francesa, o de usar as insígnias e joias da loja alemã. Assim, trinta anos atrás, o venerável da Loja de Reims se uniu a uma delegação alemã que participava de uma sessão de loja da Grande Loja Unida da Inglaterra em Londres …
A Maçonaria Alemã hoje se porta muito bem. Particularmente discreta, ela se caracteriza por uma rejeição geral à diversidade de gênero e uma exteriorização que se manifesta apenas durante ações filantrópicas e de caridade, especialmente no que diz respeito aos refugiados. Rigorosamente apolítica, mas hostil a todos os extremos, ela foi exonerada dos erros do passado pela extinção natural daqueles que eram culpados. Isso não significa que não devamos aprender com os erros do passado.
No dicionário de Maçonaria de Daniel Ligou, essas linhas podem ser lidas na nota de Jean-Pierre Bayard sobre a Alemanha: “(…) a credulidade dos maçons alemães (…) desafia a imaginação. Os fabricantes de altos graus, primeiro franceses (…) foram retransmitidos por nativos e usaram e abusaram dessa credulidade por todos os tipos de fraude e impostura.” Meditaremos sobre esta credulidade que pode, se não tivermos cuidado, ser o fio condutor que vai do mais inocente dos esoterismos ao abismo da negação dos valores humanistas.

________________________

A Maçonaria Alemã hoje

Para uma mente francesa naturalmente acostumada ao centralismo e à verticalidade das responsabilidades, às vezes é difícil entender a sutileza de uma cultura baseada na diversidade e a recusa ao centralismo, como é o caso da Alemanha. Isso permite medir a importância do trabalho realizado após 1945 para obter uma estrutura unitária. 

As Grandes Lojas Reunidas da Alemanha – Vereinigte Großlogen von Deutschland – é uma federação que agrupa cinco obediências representando quinhentas lojas e 15.000 membros. Seu Grão-Mestre é eleito pelo convento e ela tem um senado composto por membros das obediências que agrupa. Isso não impede que cada obediência também tenha suas próprias estruturas de direção.  Daí o lado um pouco “exército mexicano” da maçonaria alemã.
Grande loja de maçons livres e aceitos da Alemanha – Großloge der Alten Freien e Angenommenen Maurer von Deutschland – também chamada Grande Loja AFAM. É a mais importante obediência alemã com 272 lojas, agrupando cerca de 10.000 irmãos.

Grande Loja Nacional dos Maçons Alemães – Grosse Landesloge der Freimaurer von Deutschland – reúne a Ordem Freimaurer que pratica o rito sueco, junto com as Grandes Lojas de Bayreuth, Frankfurt, Hamburgo e Darmstadt.  Ela conta com cem lojas para 3500 irmãos.

Grande Loja-mãe “Os Três Globos” – Grosse National Mutterloge “Zu den drei Weltkugeln. A antiga Grande Loja de Berlim conservou sua independência após várias tentativas de se unir a outras lojas. Ela agrupa 47 lojas.

Grand Loja Americana e Canadense – American Canadian Grand Lodge. Instalada após 1945 entre as tropas de ocupação, seu recrutamento se expandiu para cidadãos alemães e trabalha em inglês e alemão.  Ela reúne cerca de quarenta lojas.
Grande loja de maçons britânicos na Alemanha – The Grand Lodge of British Freemasons in Germany. 17 lojas.
A estas cinco lojas se acrescentam duas obediências “estrangeiras” que elas não reconhecem oficialmente, mas com as quais certas lojas cultivam relações amistosas.
A Federação Internacional Direito Humano mista, criada no final do século 19, nunca foi capaz de se desenvolver significativamente na Alemanha e há muito tempo está ligada à federação holandesa. Ela tem cinco lojas históricas: Hamburgo, Berlim, Karlsruhe, Heidelberg e Saarbrücken.
A Grande Loja Feminina Alemã – Frauen Großloge von Deutschland – está instalada na Alemanha desde 1991 e se desenvolveu bem hoje com cerca de trinta lojas. Seus membros são às vezes aceitos como visitantes, a critério de algumas lojas “regulares”.
Finalmente, notemos que, em geral, os altos graus não são generalizados na Alemanha, além de um Conselho Supremo do REAA, totalmente independente das Grandes Lojas que não possuem seus próprios graus superiores. Com a exceção, no entanto, da Freimaurer Orden, do rito sueco com 10 graus.

A Estrita Observância Templária

Ainda há muito a ser escrito sobre essa ordem que parasitou a maçonaria alemã na segunda metade do século XVIII e morreu tão rapidamente quanto nasceu.  A Estrita Observância Templária é inteiramente obra de um homem, Karl Gotthelf von Hund (1722-1776), que teria sido iniciado em Frankfurt em 1742.

Sem dúvida, não é de pouca importância que, durante sua estada na França no ano seguinte, Hund tenha se convertido ao catolicismo e encontrado irmãos que estavam convencidos da origem escocesa da Ordem, dando aos Stuarts católicos a chamada legitimidade maçônica, em virtude de uma lenda largamente difundida, que os tornava herdeiros de segredos dados por refugiados Templários na Escócia. Hund, de volta à Alemanha, inventou que fora recebido em Paris por um capítulo dos Templários e que encontrara um superior desconhecido da Ordem usando uma pluma vermelha. Numa Alemanha cheia de romantismo, sem dúvida era fácil acreditar nesse tipo de lenda em relação à qual muitos eram, como o próprio Hund, aqueles que queriam crer sem realmente acreditar. A Estrita Observância Templária, cuja história é marcada por todos os tipos de impostura, conseguiu estabelecer-se em lojas reputadas como sérias, tais como a loja mãe “Aux trois globes” de Berlim. Mas a partir do convento de Kohlo em 1772, foram levantadas sérias dúvidas sobre a existência de superiores desconhecidos. E no convento de Wilhelmsbad dez anos depois, o SOT foi oficialmente rejeitada. Ainda restou alguma coisa, desde que Jean-Baptiste Willermoz, de Lyon, que havia sido admitido nela, reteve alguns princípios para fundar os Cavaleiros Beneficentes da Cidade Santa, que então evoluiria para o Rito Escocês Retificado.
Em 1995, uma ordem da Estrita Observância Templária foi restabelecida na França, ao mesmo tempo em que uma Grande Loja Escocesa de Estrita Observância.  Essas associações pretendem ser maçônicas, mas a obrigação de seus membros de acreditar em um deus trinitário os remove dos ideais da maçonaria universal.

Os Illuminati da Baviera, ou como se tornar um maçom sem sê-lo

A aventura da Ordem dos Illuminati, que primeiro foi chamada de “Ordem dos perfectibilistas” é baseada em um homem:  Adam Weishaupt (1748-1830); jurista, letrado, amigo de príncipes, mas adepto do iluminismo alemão.

Foi em 1776 que a Ordem foi criada em Ingolstadt, na Baviera, antes de chegar a Munique.  O sistema consistia em três graus:  “Noviciado”, “Minerval” e “Minerval iluminado”.  Seus membros estavam ligados a um segredo absoluto.  A Ordem não tomou emprestado nada da Maçonaria, embora seus objetivos pudessem ser parecidos: ensino, estudos científicos, reflexão sobre o progresso social. Mas, ao contrário da Maçonaria oficial e da Estrita Observância Templária que prevaleciam na mesma época, a Ordem dos Iluminados era anticlerical e cultivava o livre pensamento. Weishaupt foi aluno de jesuítas e alguns deles lhe emprestaram o desejo de combater a então poderosa Companhia de Jesus na Baviera com suas próprias armas intelectuais. No entanto, Weishaupt, sem dúvida já afetado pelo vírus do arianismo, propôs-se a dar à sua sociedade um ritual inspirado no dos antigos persas. Foi então que, a conselho de Zwack, seu companheiro, Weishaupt decidiu apoiar a Ordem dos Iluminados na Maçonaria.  O paradoxo é que esses racionalistas optaram por inserir estrangeirismos nas lojas Templárias da Estrita Observância Templária. Sob a liderança do Barão von Knigge, um membro da Estrita Observância Templária, os Illuminati deram um conteúdo filosófico inspirado por Rousseau à sua doutrina, assumindo também o bem conhecido tema dos Altos Graus da Maçonaria, segundo o qual a verdadeira mensagem cristã era equivocada pela Igreja e só poderia ser adquirida pelo caminho esotérico de que os Templários foram transmissores. No início da década de 1780, os Iluminados haviam adquirido importância suficiente nos países católicos da Alemanha, mas também na Áustria, para recrutar príncipes, mas também estudiosos como o grande Goethe.  Em seu apogeu, os Illuminati eram entre dois e três mil. Foi então que o contra-ataque veio da Rosa Cruz de Ouro, uma ordem paramaçônica conservadora, muito influente na Prússia, que acusou os Illuminati de querer minar a religião cristã. A proibição imposta na Baviera em 1784, unida ao desacordo entre Knigge e Weishaupt, soou a sentença da Ordem, que desapareceu completamente por volta de 1789.  Desnecessário dizer que todas as lendas que se desdobraram em torno dos Illuminati e sua influência não têm o menor fundamento.

Publicado originalmente na revista FM-FrancMaçonnerie

Tradução J. Filardo - https://bibliot3ca.com/

"A verdade deve manifestar-se em nossos pensamentos, nossas palavras e nossas ações"
 
Mahatma Gandhi
"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"

 

Áureo dos Santos