As virtudes maçônicas

A maçonaria desde o primeiro grau de Aprendiz nos vai revelando sua filosofia, esse segredo que vamos entendendo pouco a pouco. Os segredos íntimos da Maçonaria são fundamentais para o desenvolvimento harmônico da humanidade.

Nos graus simbólicos, os conhecimentos se baseiam em símbolos, alegorias e parábolas, considerando que a capacidade de entendimento é retardada ou nula por fideismo, doutrina segundo o qual “a razão não é capaz por si só de alcançar a compreender algumas verdades e aquele que logra entendê-la não as comparte por egocentrismo”.

A doutrina Maçônica.

“O Segredo”, “A Verdade”, “O Caminho”, “A Palavra”, etc., começa-se a descobrir quando se pergunta: Que entendeis por maçonaria? O estudo da FILOSOFIA MORAL para conhecer e praticar as virtudes. Mas quais são essas virtudes que devemos estudar e praticar?

A Virtude tem muitas acepções: “Estado de uma coisa que constitui sua própria excelência e a capacidade para realizar bem sua função”. Hábitos da vontade ordenados pela “razão” ou “Capacidade de uma coisa produzir um determinado efeito”, “eficácia para curar ou conservar a saúde”. Disposição interna que nos incita a trabalhar “bem”. “Hábito e disposição da alma para trabalhar em conformidade com a lei moral”. Mas em Maçonaria Virtude é “O esforço que domina as paixões”.

A Maçonaria não é uma Escola de Filosofia. Dos diferentes ramos da filosofia (amigo do conhecimento), a Maçonaria unicamente se relaciona a “A Filosofia Moral, ou seja, “O bem como obra que realizar””. Para realizar esta obra, devemos estudar e praticar as virtudes.

Tão pouco é uma Escola de Moral. Não há que confundir as virtudes com a Moral, pois esta também tem muitas acepções. “Dos costumes ou formas de comportamento”;  “o estudo da adequação das condutas humanas”;  “Adequação da conduta a pautas socialmente aceitadas””.

Ciência ou doutrina da conduta e das ações humanas em ordem a sua Bondade ou malícia, etc. Mas, em nenhuma obriga ao indivíduo a “Fazer o bem”, pois só o fato de não fazer o Mal, não é fazer o bem. Não há que confundir tão pouco as qualidades, pois estas são somente “quaisquer dos caracteres ou circunstâncias pelas que se distingue uma pessoa ou coisa” que nada tem a ver com o esforço para dominar as paixões.

Em seguida uma contribuição sobre o tema:

As Virtudes:

A HUMILDADE (Orgulho). Virtude de assumir e reconhecer os erros próprios.

A DILIGÊNCIA (Preguiça). Virtude de atuar com rapidez, de trabalhar em forma consciente e minuciosa.

A PACIÉNCIA (Ira). Virtude que nos ensina a sofrer e a suportar aos infortúnios.

A GENEROSIDADE (Avareza). Virtude que nos ensina a desprendermos de nossos bens em forma magnânima e generosa.

A CARIDADE (Inveja). Virtude que atua como extrema sensibilidade aos sofrimentos alheiros.

A TEMPERANÇA (Gula). Virtude que modera os apetites e as paixões, é trabalhar com moderação, sobriedade e continência.

Também são VIRTUDES:

A PERSEVERANÇA. Uma virtude valiosa que nos ensina que com um trabalho único podemos alcançar grande sucesso.

A LEALDADE. Uma virtude necessária para lograr a igualdade das ações.

A SENSATEZ. Virtude que nos obriga a prudência e ao bom juízo.

A SERENIDADE. Virtude que nos faz expressar nosso pensamento sem fantasia, realmente, sem fingir.

A SIMPLICIDADE. Virtude que nos leva a trabalhar com naturalidade, com afabilidade, sem artifícios nem adornos supérfluos.

A FRANQUEZA. Virtude que nos coloca na elegância e bizarria. É a expressão liberal e aberta de nossos pensamentos e de nossos atos generosos.

A EQUIDADE. Virtude que nos anima à equanimidade, à imparcialidade e à igualdade de ânimo e de ações.

A MODERAÇÃO. Virtude que nos mantém nos extremos, com comedimento e educação.

A FIDELIDADE. A exatidão de cumprir com nossos compromissos, constância e segurança no carinho e nas relações com nossos semelhantes.

A MISERICÓRDIA. Virtude que inclina a compadecer-se e a ter piedade, comprometimento, carinho, lástima, respeito e compaixão à humanidade doente e ignorante e às dificuldades e misérias alheias. A abrir o coração às necessidades, angústias de seus irmãos, os homens.

A RETIDÃO. Virtude que nos faz viver de conformidade com os princípios da boa razão.

A IMPARCIALIDADE. Virtude que nos forja o caráter para julgar isento de prevenção, com igualdade.

A CLEMÊNCIA. Virtude que nos modera o rigor da justiça. O mais belo sinal do Universo para conhecer o homem piedoso, benigno, completo e livre.

A CONSTÂNCIA. Virtude que nos leva a continuar o começado, a manter-nos firmes em um propósito, à persistência, à firmeza de ânimo.

A BENEFICÊNCIA. Virtude de fazer o bem ao outro, remediar as necessidades do próximo.

Também são as quatro VIRTUDES CARDIAIS:

A TEMPERANÇA (que já falamos acima).

A PRUDÊNCIA. Virtude que faz prevenir e evitar as faltas e perigos, a que nos faz atuar com sobriedade, discrição, moderação e previsão.

A FORTALEZA. Virtude com que vencemos as dificuldades que obstaculizam o cumprimento de um dever ou obrigação.

E a Principal e mais importante VIRTUDE da Maçonaria:

A JUSTIÇA. Virtude que nos faz dar a cada, o que lhe corresponde, que deve fazer-se de acordo com o direito e a razão. A Justiça é o apoio do mundo e a injustiça é a origem e manancial de todas as calamidades que o afligem.

As VIRTUDES Teologais são tema aparte, em outro trabalho.

Como vês, conhecendo, praticando e ensinando esta VERDADE ao mundo, com o exemplo, seremos realmente livres e satisfeitos porque conhecemos esta disposição do espírito para trabalhar de conformidade com a Luz da FILOSOFIA MORAL, ramo da filosofia, doutrina que estuda a Maçonaria.

Autor

* Eduardo Ramirez Garza.

Tradução livre do espanhol para o português feita por: Juarez de Oliveira Castro.

Voltar

"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"
Áureo dos Santos