Batom e Comunicação.

 
Boa comunicação só ocorre quando há eficácia no processo. E há diferença entre "eficiência" e "eficácia".

- Eficiência é quando você faz algo bem feito.

- Eficácia é quando você faz algo muito bem feito e gera "resultado positivo".

Quando esse conceito é levado à esfera da "Comunicação", podemos ilustrá-lo com a seguinte história:

Certa vez, um professor de uma escola estava tendo um sério problema com as meninas de uma sala de aula. Todas essas meninas estavam na faixa de 11 a 12 anos e já gostavam de experimentar os mais diversos tipos de batons. O problema é que, na hora do intervalo, elas testavam o batom beijando o espelho do banheiro feminino.

Isso causava um grande transtorno porque o zelador da Escola tinha muito trabalho para, todo dia, limbar o batom do espelho. 

O professor reuniu as meninas e fez uma pequena palestra sobre disciplina, explicando que esse procedimento não era correto, que o zelador tinha muito trabalho em efetuar essa limpeza e, ao final, pediu a colaboração de todas. É claro que elas disseram que sim, que iriam colaborar. Contudo, ao fim do dia, novamente, o espelho estava repleto de marcas de batom.

Então, no dia seguinte, o professor resolveu chamar o zelador e reuniu novamente as meninas, pedindo que o zelador fizesse uma palestra, explicando como era difícil limpar as manchas do espelho. O zelador, contudo, não proferiu nenhuma palavra. Tomou a direção do banheiro feminino e só fez um sinal para que as meninas e o professor o acompanhassem. Ao entrar no banheiro, o zelador pegou o seu pano de limpeza, molhou "dentro do vaso sanitário" e começou a limpar o espelho. 

A partir dali, nunca mais apareceu nenhuma mancha de batom no espelho daquela Escola.

Há uma bela lição nesta pequena história: A comunicação eficaz se faz de forma muito mais enfática com ações do que com palavras. Na história aqui contada, vimos que o professor proferiu uma palestra, expôs os assuntos, procurou ser didático. Contudo, não atingiu o objetivo. Ou seja: O problema não foi resolvido. O professor foi "eficiente", pois fez a sua função de orientar. Contudo, não foi "eficaz". Ou seja: Não resolveu o problema.

Na história, a eficàcia estava com o zelador. Esse, sim, conduziu o grupo, fez com que todos vissem, na prática, a origem do problema e foi preciso na comunicação da resolução deste. Assim, foi "eficaz" na comunicação, resolvendo o problema.

Em nossa vida profissional devemos, sempre, avaliar se nossas ideias e intenções estão sendo bem comunicadas, com eficácia, às equipes. Do contrário, estaremos gerando uma falha de comunicação e prejudicando o resultado esperado.
* Gerson Raul Persike
especialista em vendas, diretor da empresa Comunicação & Mercado.
E-mail: comercial@cmtreinamento.com.br
Site: www.cmtreinamento.com.br

 

"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"
Áureo dos Santos