Consuetudinário Maçônico

Antes de falar do tema, faz-se necessária a explicação do que significa a palavra “consuetudinário”.

Os Irmãos operadores do Direito tem familiaridade com este conceito jurídico. De forma simplificada, são normas, regras, leis fundamentadas em práticas, condutas e comportamentos de grupos sociais, que resultam em direitos que não tiveram seus trâmites legais passados por Câmaras Legislativas. Em outras palavras, o que se pratica como um hábito usual e se transforma em costume de um povo.

Há vários exemplos na sociedade: Muitos comerciantes aceitam o cheque pré-datado como uma operação de crédito, apesar de não ser regulamentada por lei. Na cidade mineira de Barbacena, existe a Praça dos Andradas. Mas, toda a população a trata como Praça dos Macacos, porque, no passado, era repleta de micos-estrela. Em tempos passados, a presença de um fio de bigode junto a um contrato era o avalista de confiança.

Mas, o que vem a ser Consuetudinário Maçônico? Simplesmente, nossos Usos e Costumes!

A própria expressão resulta de nossa origem inglesa, tendo em vista a forte influência dos costumes britânicos em doutrinas e decisões na área jurídica.

Todavia, há que se separar de um lado, os usos e costumes e, de outro, os desvirtuamentos praticados no âmbito maçônico.

 
A PRÁTICA DE USOS E COSTUMES NÃO PODE PRESCINDIR DOS RITUAIS!

O Maçom deve praticar o rito no qual foi iniciado. Não há um rito melhor do que outro. Mas, mesclar ritualísticas é uma forma de degradação.

Em determinado rito, há o acendimento/abafamento das velas. É bonito? Sim, mas não pode ser praticado em sessões que não trabalham com o referido rito.

As Lojas são autônomas e soberanas para decisões internas. Mas, estando sob a jurisdição de uma Potência/Obediência, não podem recorrer ao “Uso e Costume” da Oficina para não fazer a leitura de Atos, Decretos e Circulares e não se comprometer com os projetos da Instituição Mater.

Os Irmãos são Homens Livres, mas não podem invocar “Usos e Costumes” pessoais e entrar em Loja usando tênis branco com calça jeans sob o balandrau. Ele pode ser livre, mas, principalmente, deve ter bons costumes.

O VERDADEIRO CONSUETUDINÁRIO MAÇÔNICO, OU SEJA, NOSSOS USOS E COSTUMES DEVEM SER A PRÁTICA CONSTANTE E REITERADA DE AÇÕES INTEGRADORAS, QUE RESULTAM EM BENEFÍCIO COLETIVO E A CONVICÇÃO INDIVIDUAL DE QUE O COMPORTAMENTO DÉVE SER ADEQUADO AO PROPÓSITO PELO QUAL NOS REUNIMOS.

 
Neste décimo quarto ano de compartilhamento de instruções maçônicas, continuamos a incentivar os Irmãos ao estudo, reflexão e, principalmente, pelo momento em que vivemos a fraternidade solidária entre os Irmãos.

Sinto muito, me perdoe, sou grato, te amo. Vamos em Frente!

Fraternalmente
Sérgio Quirino
Grande Primeiro Vigilante
GLMMG
"A verdade deve manifestar-se em nossos pensamentos, nossas palavras e nossas ações"
 
Mahatma Gandhi
"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"

 

Áureo dos Santos