Estais preparado para ocupar o posto do Rei Salomão

Foi justamente essa a pergunta precisa e categórica que nosso Venerável Mestre me fez diante de toda a loja, quando tive a intenção de expressar minha intenção de substituí-lo a poucas semanas da eleição do novo Venerável e de seu quadro de dignitários e oficiais.

Minha resposta foi precisa ao questionado:

- Não estou preparado para ocupar o posto do Rei Salomão, talvez a sua pergunta quisesse se orientar se estava preparado para ser Venerável Mestre…

O Venerável Mestre insistiu exatamente na mesma pergunta, à qual comecei a analisar que nem o próprio Salomão estava preparado para ocupar o cargo que o aguardava com a morte do rei Davi.

Conta a tradição e a lei hebraica que, sobre todos os bens tangíveis, o rei Salomão ansiava por sabedoria e intelecto para realizar a obra que o Grande Arquiteto do Universo havia destinado a ele. Salomão ansiava por ter uma mente desperta, uma alma magnânima e um espírito compassivo.

Conta o livro da Sagrada Escritura que o Grande Arquiteto do Universo se apresentou diante de Salomão em sonhos e o manifestou:

  • “Pede o que eu tenho para te dar”.

Em resposta, o recente e inexperiente rei pronunciou seu sentimento de incapacidade e sua esperança de auxílio, a qual contestou a Deus:

- "Tens feito para com teu servo Davi, meu pai, grande misericórdia, assim como ele andou diante de ti com fidelidade e justiça, e em retidão de coração para ti, e guardaste grande misericórdia para dar um filho quem se senta em seu trono, como parece hoje. "Agora, pois, ó Senhor meu Deus, fizeste teu servo rei no lugar de Davi, meu pai; e eu sou uma criança pequena e não sei dirigir. E com todo o teu servo está no meio do teu povo que escolheste, um grande povo que não pode ser contado nem contar pela multidão dele. Dê ao seu servo um coração inteligente, para julgar o seu povo, para poder distinguir entre o bem e o mal; porque quem é capaz de julgar este seu grande povo?

“E esta petição agradou ao Senhor, por ter pedido Salomão semelhante coisa”.

"Porque havia esse pensamento em seu coração", disse Deus a Salomão; "e não pediste riqueza, tesouro, nem honra nem a vida de teus inimigos; nem pediste por uma vida longa, mas pediste sabedoria e ciência, para que possas julgar o meu povo”, "eis que faço segundo a tua palavra; eis que te dou um coração tão sábio e entendido, que não houve outro semelhante a ti antes de ti, nem depois de ti levantará um igual. Da mesma forma, o que não pediste, te dou, como uma riqueza como a glória”, “que nunca teve nenhum dos reis que foram antes de ti, nem depois ti terá ninguém”.

"E se andares em meus caminhos, mantendo meus estatutos e minhas leis, assim como andou David seu pai, então prolongarei teus dias." (1 Reis 3: 5-14; 2 Cr 1: 7-12, V.M.).

Deus deu palavra de que, assim como havia ajudado a Davi, estaria com Salomão. Se o rei andasse em honestidade diante Dele, se fizesse o que Deus lhe havia dado, seu trono seria estabelecido e sua autoridade seria o meio para magnificar Israel como "um povo sábio e conhecedor”. (Deuteronômio 4: 6), e a luz das nações vizinhas.

A maneira em que Salomão orou a Deus diante do altar de Gabaon, para deixar ver sua submissão e o grande desejo de exaltar o Criador de todas as coisas. Ele vislumbrava que, sem a ajuda divina, estava tão desprotegido quanto uma criancinha para poder cumprir os compromissos que correspondiam à seu novo cargo e responsabilidade. Ele sabia que sofria de falta de discernimento, e o reconhecimento de sua grande necessidade o estimulou a exigir sabedoria de Deus. Não havia ambição materialista em seu espírito para um conhecimento que o elevasse acima dos outros. Ele queria cumprir fielmente suas obrigações e preferia um presente que permitisse exaltar a Deus. Salomão nunca teve mais riqueza ou mais sabedoria ou verdadeira grandeza do que quando admitiu:

  • “Sou uma criança, e não sei como devo conduzir”. Quem, então, pode dizer que pode ser mais sábio que o mais sábio entre os homens para ocupar o espaço que ele ocupou?

Como assinala o ritual do primeiro grau do Rito de York, antes de empreender qualquer obra grandiosa, devemos nos entregar ao benefício da oração, já que ninguém deve começar um grande trabalho ou empreendimento importante sem primeiro invocar as graças do Criador.

Aqueles que ocupam hoje postos de confiança devem procurar aprender a lição ensinada pela oração de Salomão. Quanto mais elevado seja o cargo que ocupe um homem e maior seja a responsabilidade que há de levar, mais amplo será a influência que exerça e tanto mais necessário será que confie em Deus. Deve sempre recordar que juntamente com o chamamento a trabalhar

Deve sempre lembrar que, junto com o chamado para trabalhar, é convidado a andar com cautela diante de seus semelhantes. Deve manter diante de Deus a atitude daquele que aprende. Os cargos não dão integridade de caráter. Honrar o Grande Arquiteto do Universo e obedecer a seus mandamentos é como um homem se torna realmente grande.

O Deus a quem servimos não faz acepção de pessoas. Ele que deu a Salomão o espírito de sábio discernimento está disposto a dar a mesma bênção aos seus filhos hoje. Sua palavra afirma: "Se algum de vocês não tiver sabedoria, peça a Deus, que dá liberalmente a todos, e não desgraça, e isso será dado a ele". (Tiago 1: 5) Quando aquele que tem responsabilidade deseja mais sabedoria do que riqueza, poder ou fama, ele não ficará desapontado. Enquanto permanecer dedicado, o homem a quem Deus dotou com sanidade e habilidade não demonstrará apetite por altos cargos nem tentará governar ou dominar. É necessário que haja homens que sejam responsáveis; mas ao invés de lutar pela preeminência, o verdadeiro condutor orará em um coração compreensivo, para discernir entre o bem e o mal.

O caminho dos homens que foram colocados como líderes não é fácil; mas eles devem ver em cada conflito um convite para orar. Nunca deixarão de consultar a grande Fonte de toda a sabedoria. Fortalecidos e iluminados pelo Mestre Artífice, serão capazes de resistir a influências profanas e discernir entre o certo e o errado, entre o bem e o mal. Aprovarão o que Deus aprova e lutarão ardentemente contra a introdução de princípios errados em sua causa.

Deus deu a Salomão a sabedoria que ele desejava mais que as riquezas, as honras ou vida longa. Concedeu-lhe o que havia pedido: uma mente desperta, um coração grande e um espírito terno. “E deu Deus a Salomão sabedoria, e prudência muito grande, e coração largo como a areia que está a beira do mar. 

"E deu a Salomão a sabedoria, e entendeu a grandeza e a largura do coração, como a areia à beira do mar; porque a sabedoria de Salomão excedia a de todo o povo do oriente e toda a sabedoria dos egípcios E ele era mais sábio do que todos os homens ... e foi nomeado entre todas as nações vizinhas “ (1 Reis 4:39-31).

Agora, se Salomão teve em seus primórdios o favor do Grande Arquiteto do Universo, como ele veio a perdê-lo? E qual foi a sua queda? O estudo das circunstâncias que levaram à queda do reino de Salomão pode servir como um guia para a conduta nos casos em que somos designados em alguma posição de comando ou na liderança de outros homens.

É interessante descobrir que a queda do rei sábio está ligada à própria construção do Templo de Jerusalém, como se pode inferir no estudo da Lei Sagrada.

E ele colocou em seu coração aquele que pode ensinar, mesmo ele como Aholiab. . . da tribo de Dã; e ele os encheu de sabedoria do coração, a fim de fazer todas as obras de artificio, invenções e bordados em jacinto, púrpura, carmesim, linho fino e tear; fazer todo o trabalho e inventar todo desenho. E Bezalel e Aoliabe, e todo homem sábio de coração, a quem Jeová dava sabedoria e inteligência ”(Êx 35: 30-35; 36: 1). Os seres celestes cooperavam com os obreiros que o Grande Arquiteto do Universo havia escolhido.

Os descendentes desses obreiros herdaram em grande parte os talentos conferidos aos seus antepassados. Por um tempo, esses homens de Judá e Dan permaneceram humildes e altruístas; mas gradualmente e quase imperceptivelmente, deixaram de estar relacionados com Deus e perderam o desejo de servi-lo desinteressadamente.

Com base em sua capacidade superior como artesãos, pediram salários mais altos por seus serviços. Em alguns casos, eles foram concedidos, mas com maior frequência encontraram emprego entre as nações vizinhas. Em vez do nobre espírito de abnegação que enchia o coração de seus ilustres antecessores, abrigavam um espírito de ganância e se tornavam cada vez mais exigentes. A fim de ver seus desejos egoístas satisfeitos, dedicaram aos reis pagãos a habilidade que Deus lhes dera, e seus talentos para a execução de obras que desonraram seu Criador.

Entre esses homens, Salomão procurou o mestre artesão que deveria dirigir a construção do templo no monte Moriá. Especificações meticulosas haviam sido confiadas ao rei, por escrito, sobre cada parte da estrutura sagrada; e ele poderia ter pedido a Deus em fé para dar a ele ajudantes consagrados, que teriam a habilidade especial de fazer exatamente o trabalho necessário. Mas Salomão não percebeu essa oportunidade de exercer fé em Deus.

Solicitou, então, ao amigo de Davi, seu pai no rei de Tiro “um homem hábil, que sabe trabalhar em ouro, e em prata, e em metal, e em ferro, em púrpura, em escalarte e em azul, e que saiba esculpir com os mestres que estão comigo em Judá e em Jerusalém”. (2 Crón 2:7). O rei fenício respondeu enviando Hiram, “o filho de uma mulher das filhas de Dan, mas seu pai era de Tiro”. (2Crón 2:14).

É muito interessante descobrir que Hiram Abiff era por parte de sua mãe descendente de Aholiab a quem, centenas de anos antes, Deus havia dado sabedoria especial para a construção do tabernáculo logo de que Moisés guiara a seu povo à saída do Egito.

Segundo a tradição e as lendas hebraicas, Hiram trouxe de sua terra aos mestres construtores e a seus companheiros capatazes que serviram de instrutores aos aprendizes hebreus na construção do templo.

Considerando sua habilidade extraordinária, os estrangeiros trazidos por Hiram eventualmente exigiram salários cada vez maiores. Aos poucos, seus associados, enquanto trabalhavam dia após dia com ele, faziam comparações com o salário que recebiam e começavam a esquecer o caráter sagrado de seu trabalho, pois perderam o espírito de abnegação, que era substituído pela ganância. Como resultado, pediram mais salário, e estes foram concedidos.

As influências funestas assim criadas penetraram em todos os ramos do serviço do Senhor, e se estenderam por todo o reino. Os altos salários exigidos e recebidos davam a muitos a oportunidade de viver no luxo e no desperdício. Os pobres eram oprimidos pelos ricos; quase se perdeu o espírito altruísta. Nos efeitos abrangentes destas influências pode encontrar-se uma das causas principais da terrível deslealdade na qual caiu o que se contou uma vez entre os mais sábios dos mortais.

O agudo contraste entre o espírito e os motivos do povo que havia construído o tabernáculo no deserto e os que impulsaram a alguns de quem erigiam o templo de Salomão, encerra uma lição de profundo significado. O egoísmo que caracterizou a alguns daqueles que trabalhavam no templo acha hoje sua contraparte no egoísmo que existe no mundo. Abunda o espírito da inveja, que impulsa a buscar os postos e os saldos mais altos. Muito raro se ver o serviço voluntário e a plena abnegação manifestada pelos que construíam o tabernáculo. Mas um espírito tal é o único que deveria impulsar a quem seguem a Deus. Nosso divino Mestre nos tem dado um exemplo de como devem trabalhar seus discípulos: Deviam compartir sua abnegação e sacrifício.

Ao trabalhar não devemos fazê-lo pelo salário que recebemos. O motivo que nos impulsiona a trabalhar para Deus não deve ter nada que se assemelhe ao egoísmo. A devoção abnegada e um espírito de sacrifício tem sido sempre e seguirão sendo o primeiro requisito de um serviço aceitável.

Devemos dedicar a nossos esforços o tato e a habilidade, a exatidão e a sabedoria, que o Deus de perfeição exigiu dos construtores do tabernáculo terreno; e, no entanto, em todas nossos labores devemos recordar que os maiores talentos ou os serviços mais brilhantes são aceitáveis tão somente quando o eu se colocar sobre o altar, como um holocausto vivo morrendo às paixões mundanas para renascer como um homem novo.

Outra dos desvios dos princípios corretos que conduziram finalmente à caída do rei de Israel, se produz quando este cedeu à tentação de se atribuir a si mesmo a glória que pertence somente a Deus, pois um maior que Salomão havia desenhado o templo, e nesse desenho se revelaram a sabedoria e a glória de Deus. Os que não sabiam disto admiravam e elogiavam naturalmente a Salomão como arquiteto e construtor; mas o rei não se atribuiu nenhum mérito pela concepção nem pela construção.

Assim foi como o templo de Jeová chegou a ser conhecido entre as nações como “o templo de Salomão”. O agente humano se atribuiu a glória que pertencia a Aquele que “mais alto está sobre eles” (Ecle. 5:8). Ainda até a data o templo do qual Salomão declarou: “Teu nome é invocado sobre esta casa que edifiquei” (2Crón. 6:33), se designa mais frequentemente como “templo de Salomão”, que como tempo de Jeová.

Um homem não pode manifestar maior debilidade que a de permitir aos homens que lhe tributem honras pelos dons que o Céu o concedeu. O verdadeiro cristão dará a Deus o primeiro lugar, o último e o melhor no todo. Nenhum motivo ambicioso esfriará seu amor até Deus, se não que com perseverança e firmeza honrará a seu Pai celestial.

Quando exaltamos fielmente o nome de Deus, nossos impulsos estão sob a direção divina e somos capacitados para desenvolver poder espiritual e intelectual. 

 

Dando finalização a este trabalho, desconheço se algum dia poderia ser capaz de ocupar o lugar do Rei Salomão, o mais seguro é que não… mas se estou seguro que acolhendo-me à oração, não só solicitaria sabedoria para minha pessoa, mas também para todos meus Irmãos, pois um venerável mestre com liderança, aparte de procurar ser sempre ético e digno diante do Grande Arquiteto do Universo e daqueles que o elegeram, deve sempre ser como o Rei Artur e ter uma mesa redonda simbólica, donde todos seus membros e suas respectivas opiniões teriam o mesmo valor ao estar a igual distância do centro dessa mesa redonda simbólica, sejam aprendizes, companheiros, mestres dignitários e oficiais, pois o trabalho de cada qual, é imprescindível para o crescimento e o fortalecimento da egrégora da Loja, pois já sabemos que a Harmonia é muito especialmente importante neste maravilhoso estilo de vida ao que chamamos de Maçonaria.  

Bibliografia 

- El Libro de las Sagradas Escrituras
- Profetas y Reyes, H.G. White
- Ritual del Primer Grado del Rito de York 

Julio Villareal

Loja Chiriqui Nº 10 - Panamá

 

Engenheiro Civil, Hidráulico e Estructural, com Master em Administração de Projetos de Construção, exercendo como Superintendente Técnico, Coordenador de Engenharia e chefe de Segurança Industrial e Ambiente de Petroterminal de Panamá, S.A. Panamá.

Tradução livre feita por Juarez de Oliveira Castro

Fonte: Retales Masonería nº 43 - Espanha

"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"
Áureo dos Santos