Ferramentas maçônicas - O nível

 

O nível é a joia que porta o Primeiro Vigilante. Encontramo-nos diante de uma das ferramentas usada por obreiros mais simples em aparência e de custo material quase insignificante; no entanto, é um símbolo que guarda princípios e ensinamentos fundamentais tanto para os maçons como para o progresso e evolução dos profanos e, por extensão, dos povos.

 

Não se tem certeza de quem foi o inventor do nível, e é a versão mais clássica, a mostrada na imagem lateral

 

Alguns dizem que Dédalo, por causa de sua fuga do Labirinto de Creta (1.300 aC), mas outros autores indicam como seu criador a Rihcus, arquiteto do Labirinto de Samos ou inclusive a Teodoro, arquiteto do Templo de Samos. Seja como for, o certo é que este é útil, é muito antigo. 

 

Pouco tempo percebemos que nos damos conta que o nível é realmente um prumo suspenso do ápice de uma estrutura cujo ângulo superior é de noventa graus. Portanto, o nível inclui o prumo em si, o que indica que antes de usar o nível é necessário conhecer o prumo. 

 

A função de cada nível é marcar a horizontal, mas para isso é necessário que o vertical atravesse o ponto médio de sua base, isto é, o nível não só pressupõe a linha de prumo, mas contém e é o resultado. É impossível saber se uma linha reta é realmente horizontal por si só, pode parecer assim e ainda ser tendenciosa, inclinada a qualquer aspecto ou tendência particular; a única maneira de verificar sua horizontalidade é verificar se a linha de prumo é percorrida pelo ponto médio, ou seja, pelo seu centro.

 

Do ponto de vista místico, a vertical do prumo faz a fecunda a horizontal tornando-a, portanto, generosa e linda, refletindo a Verdade. Esta Verdade não deixa de ser uma cruz nos extremos dos quais colocam-se os quatro elementos (Ar, Água, Terra e Fogo) e cujo ponto de corte, o centro, representaria a quinta essência, a rosa dos Rosacruzes, a alma interior, o fogo interno, vitriol ...

 

Recorde o leitor que o prumo marca a retitude, e essa retitude é imperativa para buscar a igualdade. Essa igualdade é outro dos ensinamentos do nível.

 

Seu uso nos permite determinar a diferença de altura entre dois pontos e é fundamental para obter a horizontal de um plano. É bastante claro que, se dois pontos estão unidos por uma reta horizontal, ambos os pontos se encontrarão na mesma altura.

 

Aplicado o conhecimento do parágrafo anterior aos problemas da nossa sociedade, veremos que eles derivam, precisamente, da diferença do nível entre suas classes. Não há nada de errado nisso, pois nem todos nós podemos ter o mesmo, mas não podemos usar essas diferenças de classe para subjugar aos inferiores ou acreditar sermos superiores aos outros.

 

O nível é um símbolo da Igualdade e nos ensina que devemos despojar-nos do orgulho com base em uma posição superior eventual e transitória, seja material ou intelectual, e considere todos os seres humanos como iguais e ao mesmo nível. Lembremos de que estamos nesta vida de forma temporária e nada que possamos chegar aqui pode nos levar conosco exceto nossas ações. Tudo o resto, riquezas, posses aqui permanecerão. Nós viemos sem nada e sem qualquer coisa que iremos - dizem as antigas escrituras.

 

Agora, é importante definir de que Igualdade estamos falando. Porque a igualdade não é fazer de todos os humanos clones um do outro. Sem querer entrar em debates acalorados sobre este assunto, não penso que ninguém duvida que não possamos exigir as mesmas obrigações daqueles que não possuem capacidade intelectual ou física. Parece mesmo, na sociedade de hoje, se as suas deficiências tiverem mais ou menos direitos do que as pessoas classificadas como normais. Projeta-nos assim duas perguntas cuja resposta, creio que deve ser SIM, mas com nuances.

 

     • Igualdade intelectual? Sim, as compreendida desde o ponto de que todas as pessoas tenham as mesmas oportunidades e meios de poder desenvolvê-la. 

 

     • Igualdade material? Sim, mas sempre que seja obtida pelo seu esforço e não dada a quem nada tenha se esforçado e não merece tê-lo.

 

Em suma, devemos lutar por condições iguais e orientá-las de tal forma que todos os seres humanos possam alcançar o mesmo nível se desejarem, procurarem e trabalhar para isso.

 

Não é minha intenção estender muito mais sobre o assunto. Existe uma extensa literatura sobre o tema do nível e o debate da igualdade. Apenas deixe-me descrever os ensinamentos do nível em dois pontos.

Igualdade dos maçons: Todos os maçons são iguais, embora seja verdade que toda loja maçônica tem apenas um líder, que é o Venerável Mestre, seu poder é devido ao reconhecimento de seus irmãos que o colocaram nessa posição. O Venerável não passa de “Primus Inter Pares”, isto é, o primeiro entre os iguais. Sob nenhum pretexto, uma hierarquia de classe pode ser buscada dentro da Ordem.

 

Trabalhar para um mundo mais igualitário: Todos sabemos que um Maçom é 24 horas por dia e que suas ações na sociedade devem ser um reflexo de todas as melhorias que ele obtém no Templo. O Maçom ensina com suas ações e não com suas palavras, é dito, e nisso devemos colocar nossos esforços.

 

Embora não devamos nos orgulhar porque apenas fazemos o nosso trabalho, se pudermos dizer que grandes conquistas, como os princípios dos Direitos Humanos, devem muito à Maçonaria. 

No entanto, nosso trabalho não será completo até que toda a humanidade tenha direito à igualdade de oportunidades, devemos trabalhar, nas palavras do nosso irmão Iván Herrera Michel, "para criar as condições necessárias para uma humanidade mais horizontal nas suas condições de vida e em suas oportunidades, nas quais todos os homens e mulheres têm os mesmos direitos".

 

Mário Lopez

Fonte: https://iluminando.org/2017/09/20/herramientas-masonicas-6-de-8-el-nivel/

Tradução livre: feita por: Juarez de Oliveira Castro

"A verdade deve manifestar-se em nossos pensamentos, nossas palavras e nossas ações"
 
Mahatma Gandhi
"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"

 

Áureo dos Santos