Maçonaria - o porquê da corda de 81 nós?

Certo dia, conversando com um Irmão antigo e experiente de maçonaria, e abordando sobre tal assunto “corda de 81 nós” ele me disse que isso só passou a existir a partir dos anos 50 quando 81 grãos mestre de várias partes do mundo se reuniram em uma das chamadas mesas redondas da Confederação Maçônica Simbólica do Brasil – CMSB e daí surgiu a Corda de 81 Nós. Disse ainda ele que na CMSB existe esse registro.

Respeitando a idade e tempos de maçonaria do Irmão, respeitei sua resposta e como um eterno aprendiz, fui em busca de uma resposta mística e esotérica, pois esta é a parte que mais busco estudar na Instituição maçônica.

A corda simboliza ligação, vínculo, união, sobretudo quando possui um ou mais nós, significando uma ligação com as forças ocultas do universo. Já quando é representada estendida, sem nós, a corda simboliza ascensão, o ato de subir, de elevar-se.

A corda que percorre o friso dos Templos das Lojas, tendo uma borla em cada uma de suas extremidades, que terminam diante das duas colunas da entrada. De distância em distância existem nós que são chamados “laços de amor”. Primitivamente, estas cordas com “laços de amor” eram desenhadas num pequeno paralelogramo, traçado no chão, com giz ou carvão que constituía o Painel da Loja e que posteriormente, foi substituído pelo “tapete”. No grau de aprendiz havia três laços, no de companheiro continham quantidades de laços diferentes e no de Mestre não haviam laços, era um desenho diferente.

Já Joules Boucher (2001) defende que “Pode-se, portanto, pensar razoavelmente que os primeiros maçons especulativos, tendo substituído o cordel operativo por um cordão ornamental, deu muito naturalmente a este cordão nós em forma de “laços de amor‟. Essa espécie de nós figurando nos brasões o Painel ou Tapete da Loja que enfeixa os símbolos, essenciais da Maçonaria, pode ser considerado como o armorial maçônico”.

Abrindo aqui um importante parêntese a ser estudo, alguns autores dizem que a corda de 81 nós ao redor da abóbada é uma invenção brasileira. O que existe na tradição maçônica é a corda de 13 nós que servia para medições no canteiro de obras, onde houve uma germinação do rito das famílias Stuart na Escócia. Na França, algo parecido existiu como “laços de amor” nas decorações das Lojas, mas não se referiam à corda de 13 ou 81 nós.

Sabemos que muitos de nossos estudos e da nossa própria história se perdeu no tempo. Mas aqui vai alguns pontos a ser estudado e analisado aos Irmãos que gostam de se aprofundar nos nossos estudos.

* A estrutura destes “nós” (em forma de laços), representa o símbolo esotérico do infinito, indicando que a obra da renovação é duradoura e infinita. Este é um dos motivos pelos quais estes laços são chamados "Laços de Amor", porque demonstram a dinâmica Universal do Amor - na continuidade da vida.

Além disso, o fato dos nós estarem abertos, em forma de laços, como um "8" deitado (∞), devem lembrar ao Maçom que é preciso tomar muito cuidado para não puxá-los. Eles devem permanecer como estão! Por quê? Um nó fechado, neste caso, significaria a interrupção e o estrangulamento da fraternidade que deve existir entre os Irmãos.

* A disposição da corda inicia-se no “nó” central, que deve estar acima do Trono de Salomão (da cadeira do V.'. M.'.). Ele simboliza o número UM e tudo o que ele implica: unidade, indivisibilidade, sagrando-se ainda, por representar o Criador, princípio e fundamento do Universo. Este símbolo, especificamente, remonta à antiga escola Pitagórica.

Desta forma, a corda conta ainda com quarenta “nós”, equidistantes, de cada lado que se estendem pelo Norte e pelo Sul.

Reparem que a corda acaba terminando em duas borlas, em cada uma de suas extremidades, ambas relembram ao Maçom sobre a Justiça e a Prudência.

* Segundo a maioria dos estudiosos, o fato da corda ser aberta em torno da Porta do Templo indica que a Ordem Maçônica é dinâmica e progressista, estando, portanto, sempre aberta às novas ideias, desde que estas contribuam para a evolução do Homem e para o progresso racional da humanidade.

Sem dúvida, a corda é a trena de hoje, assim como o terço tem sua representação em uma religião, a corda que como ferramenta, fala de união e força, pode ter em sua origem tal medida. Finalizo considerando em todos os sentidos, que o nó da corda dos Templos Maçônicos é o nó impresso nos ladrilhos do Templo de Salomão, e não o nó de uma corda de medidas, ou seja, é uma ferramenta emulada; ou seja, nos faz sentir nobre, nos igualando aos Irmãos em virtude e merecimento.

Valdecir Martins - M... M... Membro da ARLS... Ordem e Progresso – Nº 25 – Campo Grande/ MS - GLEMS.
Membro da cadeira 32 da Academia Maçônica de Letras do Estado de Mato Grosso do Sul – AML/MS.

Fonte: JB News – Informativo nr. 2.237– Florianópolis (SC).