O caminho que não escolhemos.

São muitos os mistérios que rondam nossas escolhas de vida. A estrada que escolhemos não percorrer, por exemplo, é um grande enigma: pode ser motivo de alívio ou de arrependimento. Mesmo assim, todos nós ainda alimentamos em nossas mentes uma série de fantasias sobre como seria caso tivéssemos a oportunidade de escolher diferente.

O que nos leva a escolher, afinal? Decidimos porque somos novos ou velhos demais, porque somos sábios ou ignorantes demais, porque somos valentes ou covardes demais. Seja qual for o sentimento que nos faça tomar a decisão de escolher não atravessar um determinado caminho, algo é certo como cada dia que nasce: nunca temos certeza se optamos pelo melhor.

Erguemos diplomas sem saber se é a profissão que queremos, ou se era rumo ao norte mais apropriado a ser seguido. Fazemos planos sem fim, arquitetando cada centímetro de nossas histórias, como quem planeja a própria vida em uma tabela de Excel. Ou não fazemos plano algum, perambulando entre cafés e bares, entusiasmados com fantasias e absolutamente nada concretizado.

O que vale a pena, afinal? Ter sucesso, ter filhos, plantar uma árvores ou passar em um concurso público, talvez. Ser diretor de uma empresa, candidatar-se a vereador, não dá para saber.

Casar com o primeiro namorado, com a garota difícil da faculdade, ou comprar uma cobertura triplex para morar sozinho. Todas as escolhas são difíceis. E sempre que estamos diante do exato momento de indecisão, sentimo-nos como numa encruzilhada que pode transformar todo o futuro que temos pela frente.


"É tranquilizador pensar que existe uma única estrada, somente uma, que é feita de nossos próprios passos, acertados ou não".

 

 

O curioso da vida é que ninguém sabe onde fica exatamente a opção que leva à felicidade. Há quem especule muito, parecendo quase doutor no assunto. Ainda assim, tudo é chute de quem arrisca um palpite.


É tranquilizador pensar que existe uma única estrada, somente uma, que devemos seguir na vida. Uma que é feita de nossos próprios passos acertados e algumas vezes tropeçados. Uma caminho que é feito de lágrimas, suor e sorrisos.


Algo tão nosso que traz desafios e responsabilidades, ao mesmo tempo que traz satisfação de decidir por nós mesmos.

Ao invés de remoermos o que teria acontecido caso tivéssemos escolhido outro trajeto, outra pessoa, outra profissão, fiquemos atentos ao caminho que está sendo percorrido: ele permite manobras, ajustes e benfeitorias ao longo do percurso.

Quanto ao caminho que não escolhemos, cá entre nós, nunca existiu nem foi realmente nosso. Não passou de criação da imaginação para tentar nos impedir de lidar com o caminho escolhido. Ou, porque não estávamos prontos para ele, ou ele para nós.

* Thaís de Ferrand

Roteirista, escritora, cronista ou tudo junto e misturado. Escreve todas às sextas-feiras para o jornal Notícias do Dia e é colaboradora do jornal Psicologia em Foco. Além disso, atua como criadora de conteúdo para os mais diversos veículos de comunicação.

Entre em contato com a autora: thaisdeferrand@gmail.com ou em sua página https://www.thaisdeferrand.com.br/

 

"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"
Áureo dos Santos