O homem primordial e a redenção do mal

 

Segundo uma lenda, os espíritos das trevas quiseram uma vez invadir o reino da luz e conquistá-lo, mas não o conseguiram. Tinham então que ser punidos pelo reino da luz mas nele não havia nada de mal, tudo era bom, de modo que os demônios da escuridão só podiam ser punidos com algo bom. Os Espíritos do Reino da luz tomaram parte do seu próprio reino e o mesclaram com o reino material das trevas, se introduzindo nele.

 

Como uma parte do Reino da luz tinha se fundido com o reino da escuridão, se gerou no reino das trevas uma massa ácida, uma substância em fermentação que submeteu ao reino das trevas a uma caótica dança espiritual, com o qual recebeu um Novo elemento: a morte.

 

Assim, esse reino devora-se constantemente a si próprio e leva consigo o germe da sua própria aniquilação. Ao realizar esse processo, surgiu o gênero humano.

 

O homem primordial é, pois, precisamente o que o reino da luz enviou para se misturar com o reino das trevas para vencer, através da morte e vencer em si mesmo o que não deve existir no reino obscuro.

 

O pensamento profundo que aqui jaz é que o reino da luz não deve derrotar o reino da escuridão com o castigo, mas sim com a benevolência, ou seja, não indo contra o mal, mas misturando-se com ele a fim de redimi-lo. O mal se vence porque uma parte da luz penetra nele. 

 

Rudolf Steiner  

 

Tradução: Leonardo Maia 

 

Fonte: Página Palabra de Rudolf Steiner no Facebook

"A verdade deve manifestar-se em nossos pensamentos, nossas palavras e nossas ações"
 
Mahatma Gandhi
"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"

 

Áureo dos Santos