O Renascimento pela Iniciação

 

Há pouco mais de 2.000 (dois mil) anos passados, o Mestre dos Mestres, em seus sábios ensinamentos, recebeu a visita de Nicodemos, um dos principais políticos judeu daquela época.

 

Na ocasião era noite, e perguntou a Jesus: “Rabi, sabemos que és Mestre vindo da parte de Deus; porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não estiver com ele”.

 

A isto, respondeu o Mestre: “Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus”.

 

Perguntou-lhe Nicodemos: “Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, por ventura, voltar ao ventre materno e nascer segunda vez?”

 

Respondeu Jesus: em verdade, em verdade te digo: quem não nascer da água e do espírito não pode entrar no reino de Deus.

 

O que é nascido da carne é carne; e o que é nascido do espírito é espírito. 

(João 3:1-6).

 

Assim, na busca por um aprimoramento intelectual e espiritual, embarquei na viagem da minha iniciação, guiado pelas mãos de um irmão, em direção ao novo renascimento.

 

Com os olhos vendados, tive tempo para refletir sobre a escuridão e sua profundidade sem nada entender, em total ignorância, mas sempre confiante no meu guia irmão.

 

Naquele instante de cegueira absoluta, lembrei-me de uma história que agora passo a contar aos irmãos.

 

Conta à história, que certo alpinista, desesperado por conquistar uma altíssima montanha iniciou sua escalada depois de anos de preparação.

 

Como queria a glória só para ele resolveu subir sem companheiros.

 

Durante a subida foi ficando tarde e mais tarde, e ele não havia se preparado para acampar, sendo que, decidiu seguir subindo e por fim escureceu.

 

A noite era muito densa naquele ponto da montanha, e não se podia ver absolutamente nada. 

 

Tudo era negro, visibilidade zero, a lua e as estrelas estavam encobertas pelas nuvens.

 

Ao subir por um caminho estreito, a apenas poucos metros do topo, escorregou e precipitou-se pelos ares, caindo a uma velocidade vertiginosa. 

 

O alpinista via apenas velozes manchas escuras passando por ele, e sentia a terrível sensação de estar sendo sugado pela gravidade.

 

Continuava caindo...

 

E, em seus angustiantes momentos passaram por sua mente alguns episódios felizes e outros tristes de sua vida.

 

Pensava na proximidade da morte, sem solução. 

 

De repente sentiu um fortíssimo solavanco, causado pelo esticar da corda na qual estava amarrado e presa nas estacas cravadas na montanha.

 

Nesse momento de silêncio e solidão, suspenso no ar, não havia nada que pudesse fazer e gritou com todas as suas forças: 

 

Meu Deus me ajuda!

 

De repente, uma voz grave e profunda vinda dos céus lhe respondeu: 

 

Que queres que eu faça?

 

Salva-me meu Deus! Respondeu desesperado o alpinista.

 

Realmente crês que eu possa salvá-lo?

 

Com toda certeza senhor!

 

Então corta a corda na qual estás amarrado...

 

Houve um momento de silêncio; então o homem agarrou-se ainda mais fortemente à corda.

 

Conta à equipe de resgate, que no outro dia encontraram o alpinista morto, congelado pelo frio, com as mãos agarradas fortemente à corda

 

Há apenas um metro do chão.

 

Assim meus irmãos, ao contrário do alpinista desta história, que não confiou em Deus, eu, em minha viagem da iniciação, mesmo sentido na pele o frio da escuridão, consegui cortar a corda que me segurava ao mundo profano, pois estava confiante no guia que me conduzia.

 

Confiei cegamente no meu irmão, que me levou de lá para cá, sem eu saber ao menos onde pisava, conduziu-me pelas trevas da cegueira, para receber a luz que é a nova vida, simbolizada ainda, pelo contato físico que tive, com os quatro elementos da natureza, terra, água, ar e fogo.

 

Hoje, me vejo sentado no topo da Coluna do Norte, agradecido ao Grande Arquiteto do Universo, que é Deus, porque além de eu ter uma família maravilhosa, uma profissão honesta, agora chego neste lugar onde poucos conseguem chegar, que é a Maçonaria.

 

Finalizando, renasci para esta nova vida, como ensinou o Mestre Jesus, e hoje sendo uma Pedra Bruta, peço tolerância e paciência de todos os meus irmãos desta Augusta e Respeitada Loja Maçônica São João Batista para lapidarem esta pedra.

 

Deixo aqui um pensamento de Gandhi, para a reflexão de todos; “quando a lei suprema do amor for compreendida e sua prática se tornar universal, Deus reinará na terra como reina no céu. A terra e o céu estão em nós. Todavia conhecemos a terra e mantemo-nos alheios ao céu”. (Mahatma Gandhi – o apóstolo da não violência pág.237 – Ed. Martin Claret)

 

Que o Grande Arquiteto do Universo, que é Deus, a todos nos abençoe.

 

Fraternalmente

 

José Aparecido de Marco

Obreiro da Aug∴ e Resp∴ Loj∴ Simb∴ “São João Batista” N.º 3594

 

OR ∴ de São Paulo -SP.

"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"
Áureo dos Santos