Por Favor me Toque.

Chego ao “artigo 200”, cujo ponto de partida foi 5 de fevereiro de 2011, quando escrevi, “A proposta de Marconi é humana”, referindo-me ao projeto do governador Marconi Perillo, que já é realidade... Leia o "Informativo Barbosa Nunes", abaixo, que é publicado no Jornal Diário da Manhã:

 

 

INFORMATIVO BARBOSA NUNES


“ARTIGO 200: POR FAVOR ME TOQUE”

Artigo 200 de Barbosa Nunes publicado no Jornal Diário da Manhã, edição de 13 de dezembro de 2014.

 

  

 

 

Chego ao “artigo 200”, cujo ponto de partida foi 5 de fevereiro de 2011, quando escrevi, “A proposta de Marconi é humana”, referindo-me ao projeto do governador Marconi Perillo, que já é realidade, a ser inaugurado nos próximos dias, com o nome “Centro de Reabilitação e Excelência de Dependentes Químicos” – CREDEQ, Unidade Aparecida de Goiânia Jamil Issy”. A maçonaria goiana que levantou em 1997 a bandeira “Maçonaria a Favor da Vida – Contra as Drogas”, hoje presente em todo o Brasil, agradece ao governador pelo interesse em favor da causa e eu registro o quanto foi por ele bem recebida a minha sugestão, em alguns artigos, de levar o primeiro Credeq o nome deste pioneiro na toxicologia e prevenção ao uso de drogas, saudoso Jamil Issy.

Com a devida consideração e respeito aos que me distinguem todos os sábados, com suas qualificadas leituras, sou muito zeloso nas avaliações e comentários, enfocando temas que objetivo serem sementes de uma boa construção moral, espiritual e defensora da família como instrumento da sociedade. 

Faz-me muito bem os cumprimentos e críticas que recebo pessoalmente, telefonemas, inúmeros e-mails, milhares de mensagens pelas redes sociais e compartilhamentos que levam mais longe, inclusive ao exterior, nossos escritos. Registro o meu profundo agradecimento a você meu amigo, meu irmão, minha cunhada e meu sobrinho, com um toque especial, abordando o livro “O Poder do Toque”, edição de 1991, tradução de Ieda Moriya, Editora Best Seller, que releio pela terceira vez, autoria da americana Phyllis K Davis, bacharel em comunicação e expressão.

Diz ela que: “Em nossa sociedade, o contato físico é tão inibido quanto a expressão do amor. O amor é misterioso, maravilhoso, cativante, benéfico, fascinante, mágico. Emoção poderosa. O contato físico também é poderoso”.

Neste mês em que as emoções se emergem, em que os nossos sentimentos são fortemente realçados pelas belas mensagens, pela comemoração do nascimento de Jesus, que é o nosso maior guia, pela alegria das crianças em recebendo presentes e tristeza daquelas que ficam excluídas por este mundo material, quero ter contatos dos próximos aos mais longínquos, enviando e recebendo orações que possibilitem a todos nós, força para superar as dificuldades.

Com este artigo 200, aumento o meu contato afetivo, incentivando manifestações de amor, em consequência, os contatos físicos. Pobres de nós. Pobres dos milhões de seres humanos que dariam tudo para ter o que um gato ou cachorro de estimação recebem no que se refere a amor e contatos físicos.

Acrescenta Phyllis K Davis: “É irônico que, em nosso ambiente, os animais desfrutem mais amor e contato físico de que nós, como seres humanos que tanto precisamos. Os animais, ao contrário de nós, tocam muito mais suas crias e uns aos outros. Por exemplo, os animais lambem e acariciam seus filhotes, quando estes se machucam. Já os pais, especialmente os homens, dizem simplesmente aos filhos: “Não chore!”, fazendo-lhes um curativo em seguida”.

Temos ânsia por verdadeiros contatos físicos, mas infelizmente, nossa cultura impõe limites rígidos ao nosso comportamento neste aspecto. Necessitamos de contato físico. Gostamos de tocar e ser tocados. Um cumprimento, um abraço, um beijo, tocam o nosso coração, transmitindo emoções como o amor e a paz, ótima terapia contra a tristeza e a depressão.

Na maçonaria nos tratamos como irmãos, amados irmãos, nos abraçamos com o “tríplice e fraternal abraço” seguido do ósculo, que expressa amizade sincera.

Conta-se que um grupo de 38 chimpanzés eram mantidos em cativeiros escuros em um laboratório austríaco, durante muitos anos. Ao serem resgatados após uma batalha judicial, mostraram-se eufóricos, rindo muito e abraçando-se continuadamente, demonstrando satisfação pelo contato físico iluminado.

Em alguns de nós, a sensação de tocar e ser tocado é altamente desenvolvida, enquanto outros apresentam uma relativa insensibilidade ao contato físico, tocam de forma tímida ou até evitam contatos. A potência do ato de tocar outra pessoa, ainda que por menos de um segundo, é surpreendente, valendo mais que 5 minutos de um discurso muito bem feito.

Desejando muita saude e paz em 2015, aos que juntos nos encontramos aqui, estimulo que pratiquem ao máximo, dezenas e centenas de abraços e toques que vão levar e trazer ondas de alegria. Assim é que lhes ofereço um poema que sempre uso ao final de minhas palestras, em dinâmica que todos emocionados se abraçam. Leia com atenção e interprete com o coração, com pensamento fixo no seu bebê, sua criança, seu adolescente, seu amigo, seu parceiro, seu filho adulto e em seu pai idoso.

O poema é “Por favor me toque!”, de Phyllis K Davis. 

“Se sou seu bebê, Por favor, me toque... Preciso de seu afago de uma maneira que talvez nunca saiba. Não se limite a me banhar, trocar minha fralda e me alimentar,

Mas me embale estreitado, beije meu rosto e acaricie meu corpo. Seu carinho gentil, confortador, transmite segurança e amor.

Se sou sua criança, Por favor, me toque. Ainda que eu resista a até o rejeite, Insista, descubra um jeito de atender minha necessidade. Seu abraço de boa noite ajuda a adoçar meus sonhos. Seu carinho de dia me diz o que você sente de verdade.

Se sou seu adolescente, Por favor, me toque Não pense que eu, por quase estar crescido, Já não precise saber que você ainda se importa. Necessito de seus braços carinhosos, preciso de uma voz terna. Quando a vida fica difícil, a criança em mim volta a precisar.

Se sou seu amigo, Por favor, me toque. Nada como um abraço afetuoso para eu saber que você se importa. Um gesto de carinho quando estou deprimido me garante que sou amado, E me reafirma que não estou só. Seu gesto de conforto talvez seja o único que eu consiga.

Se sou seu parceiro sexual, Por favor, me toque. Talvez você pense que sua paixão basta, Mas os seus braços detêm meus temores. Preciso de seu toque terno e confortador,

Para me lembrar de que sou amado apenas porque sou eu.

Se sou seu filho adulto, Por favor, me toque, Embora eu possa até ter minha própria família para abraçar, Ainda preciso dos braços de mamãe e papai quando me machuco. Como pai, a visão é diferente, Eu os estimo mais.

Se sou seu pai idoso, Por favor, me toque, Do jeito que me tocaram quando era bem pequeno. Segure minha mão, sente-se perto de mim, dê-me força, E aqueça meu corpo cansado com sua proximidade. Minha pele, ainda que muito enrugada, adora ser afagada.

Não tenha medo. Apenas ME TOQUE!”


Barbosa Nunes, advogado, ex-radialista, membro da AGI, delegado de polícia aposentado, professor e maçom do Grande Oriente do Brasil - barbosanunes@terra.com.br. 

 

"A verdade deve manifestar-se em nossos pensamentos, nossas palavras e nossas ações"
 
Mahatma Gandhi
"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"

 

Áureo dos Santos