Por que as pessoas agora parecem mais interessadas em tribalismo e confronto do que em debates reais?

Porque todos os países estão passando por uma profunda mudança de paradigma cultural. Tudo começou no pós-guerra e vem se aprofundando desde então.

Acredito que Marshall McLuhan explica o que está acontecendo no mundo muito melhor que Marx, talvez até melhor que Chomsky – embora este concorde principalmente com ele nos pontos essenciais.

A teoria comum era que a humanidade conhecia três estágios de desenvolvimento: selvageria, tribalismo e civilização. Você pode encontrar essa evolução em três estágios em autores como  Engels  (Origens da Família, Propriedade Privada e Estado) A selvageria está extinta hoje em dia: toda cultura que conhecemos nos últimos milênios era baseada em clãs e tribos. De fato, a selvageria era apenas teórica desde o início: o suposto estágio antes dos seres humanos viverem nas sociedades. Pesquisas recentes sobre altos primatas sugerem que os humanos nunca viveram de outra maneira senão em sociedade. Outra teoria sobre a selvageria coloca-a antes da invenção da linguagem. Mais uma vez, nunca conhecemos nenhuma sociedade humana que não tivesse linguagem, o que mantém a selvageria como um conceito meramente teórico.

A mudança do hipotético estágio selvagem para o tribal comprovado deve ter sido a formação de grupos de famílias nucleares (ou famílias estendidas), com um único líder e uma tradição própria. Tal coisa só poderia acontecer e permanecer no local após a invenção da linguagem.

A mudança do estágio tribal historicamente atestado para o estágio atual da civilização foi a invenção da escrita. Pelo menos é o que McLuhan afirma – mas é mais matizado do que apenas isso.

Em McLuhan, a humanidade teve quatro estágios (a terminologia abaixo é minha adaptação à dele, considerando as mudanças de 1962 até agora):

  1. Cultura tribal (oral);
  2. Cultura civilizada (manuscrita);
  3. Cultura moderna (impressa);
  4. Cultura pós-moderna (eletrônica).

Ele não estava realmente interessado em quando e como a escrita em si foi inventada, mas em como era usada por diferentes culturas, e quais efeitos ela teve na sociedade, religião, arte e tudo mais. Na terminologia de McLuhan, a invenção da escrita inicia o processo de “des-tribalização”, que ele entendeu como contínuo e sempre inacabado. Diferentes civilizações existiam, segundo ele, em diferentes estágios (ou melhor, “profundidades”) de influência tribal.

As razões pelas quais a cultura tribal ainda afetou até os povos mais civilizados são simples: estamos apenas sob os efeitos da civilização,e de escrever,por alguns milhares de anos (menos de algumas centenas de anos para alguns povos). Toda a evolução humana fora da África e até você (onde quer que você more e quem quer que seja) aconteceu sob um quadro cultural tribal. Você não joga fora dezenas de milhares de anos de cultura com um único golpe.

Os efeitos da des-tribalização não dependiam apenas de quanto tempo as pessoas foram expostas à escrita, mas também de uma série de outros fatores, incluindo:

  1. Quão predominante é a alfabetização;
  2. Quão útil ela é na vida cotidiana;
  3. Para que serve o sistema de escrita mais utilizado;
  4. Como é o sistema de escrita.

Os três primeiros conceitos são diretos, e eu os explicarei apenas para o benefício de leitores casuais que talvez não conheçam muito sobre história antiga ou linguística.

  1. Quanto mais predominante a alfabetização, mais pessoas são afetadas por ela. As runas não eram predominantes entre o povo nórdico, muito poucas pessoas sabiam como escrevê-las.
  2. Quanto mais as pessoas encontram maneiras de usar a escrita em suas vidas, mais importância elas atribuem a ela e mais afetadas são por ela. Os romanos fizeram o uso mais extenso da escrita na antiga orla do Mediterrâneo.
  3. Se o sistema de escrita é usado principalmente apenas em contextos controlados, como política e religião, tem menos efeitos que um script usado para fins comuns, como documentos legais, cartas, literatura, grafite, gravação de transações comerciais, etc;
  4. É o quarto conceito que é mais controverso: McLuhan afirmou que alguns tipos de sistemas de escrita tiveram um efeito des-tribalizante mais forte que outros e que alguns não tiveram qualquer efeito.

Na visão de McLuhan, os sistemas de escrita alfabética têm um efeito des-tribalizante mais forte (quanto mais os caracteres são blocados, mais fortes), com as silabárias chegando em um distante segundo lugar e… o que certamente choca os leitores chineses… os sistemas de escrita hieroglífica e logográfica tiveram efeito des-tribalizante desprezível, se teve algum.

McLuhan chega a afirmar que o conceito de tempo linear foi desenvolvido apenas por culturas nas quais os sistemas de escrita eram predominantes, porque a escrita de caracteres em uma sequência cria a impressão de tempo decorrido. Mas, espere! Geralmente representamos o tempo como uma linha que vai sempre para a direita, não para a esquerda, porque a primeira sociedade predominantemente alfabetizada em que a filosofia se desenvolveu foi a Grécia, e os gregos escreviam da esquerda para a direita! Mas, espere! Tem mais: As línguas orientais (todas elas influenciadas pelo chinês) foram escritas de cima para baixo e a maneira convencional de representar o tempo nesses idiomas também é de cima para baixo! Parece que as teorias de McLuhan tem algum sentido …

Os efeitos da des-tribalização tinham sido controlados por cerca de 2000 anos, desde a invenção do alfabeto pelos fenícios, mas a invenção da imprensa na Europa deu-lhe um grande impulso. Por isso McLuhan intitulou seu livro A Galáxia de Gutenberg. O autor reconheceu que os chineses haviam inventado a impressora primeiro, mas observou que, dadas as características do sistema de escrita chinês, isso teve pouco impacto sobre sua civilização. Na Europa, no entanto, onde os sistemas de escrita eram baseados em algumas dezenas de caracteres, era possível tirar proveito da impressora para substituir completamente os livros manuscritos. Outros sistemas de escrita que empregam um número excessivo de caracteres diferentes (como a maioria dos scripts índicos) ou nos quais as formas dos caracteres não são fixos (como árabe e siríaco) não podem usar as vantagens da impressora na mesma extensão que os sistemas de escrita como latim, grego, cirílico, armênio, georgiano e hebraico.

 

Eu acrescentaria a isso a observação de que geralmente um texto escrito em qualquer um desses manuscrito parece melhor e mais uniforme, ao serem impressos. As formas padrão de caracteres tornaram esses manuscritos mais úteis, mas também mais agradáveis aos olhos.Porém, escritas como o árabe não se traduzem muito bem na impressão, porque as formas das letras permitem efeitos extraordinariamente bonitos:

Quando você imprime árabe, toda essa beleza requintada é substituída por uma aparência em blocos (a introdução do artigo da Wikipedia sobre Stan Lee):

Há claramente alguma perda de beleza, mesmo aos olhos de um estrangeiro que não consegue ler nada em árabe nem para salvar sua vida. A beleza é auto evidente. Mais que isso: O árabe parece ter um toque taquigráfico (abaixo, texto taquigrafado em inglês):

O efeito diferente da escrita em cada sociedade era parte da explicação para mentalidades culturais muito diferentes. McLuhan afirmou (mas eu gostaria de saber mais sobre isso) que os serviços de informação russos tendiam a acreditar em informações orais com mais facilidade do que os serviços de informação americanos, que demasiado frequentemente exigiam documentação. Segundo o autor, os russos acreditavam na informação oral com mais facilidade porque os povos eslavos orientais haviam começado sua des-tribalização centenas de anos depois dos povos anglo-saxões.

Ou seja: sociedades tribais são baseadas em tradição oral e acreditam em informações orais com mais facilidade. A des-tribalização nos faz duvidar de informações orais e exigir evidências materiais.

Um dos efeitos da des-tribalização foi o surgimento da religião organizada, baseada em livros, e da arte formal, baseada em técnicas desenvolvidas e ensinadas. Cada povo, no entanto, reagiu à sua maneira: Os hebreus registraram seus profetas, os gregos desenvolveram a filosofia, os romanos escreveram suas leis e estabeleceram um sistema postal, os árabes criaram uma religião de proselitismo, os indianos fizeram uma mistura de tudo (tanto criando religiões de proselitismo e escrevendo leis quanto desenvolvendo filosofia ) e adicionaram seu próprio toque: a invenção da gramática, a escrita sobre a escrita! O que nos dá uma dica de quão sofisticada a civilização indiana já era quando adotou a escrita alfabética, que estava se espalhando pelo ocidente.

Quando a escrita foi ensinada aos árabes, ela se espalhou lentamente, mas, com o tempo, era tão predominante que eles também queriam ter seu próprio “livro”, o Alcorão, cujo nome, aliás, significa “A Leitura”. A Bíblia dos cristãos também é chamada assim: Bíblia que significa “Livros” em grego. Para um povo que estava passando pela des-tribalização, a escrita era milagrosa, como a encarnação de um deus. Os muçulmanos chegam a acreditar que o Alcorão foi realmente “revelado” a Maomé, em vez de ser escrito por ele ou para ele. O Alcorão é o equivalente muçulmano a um avatar do Deus.

Até o início da década de 1960, o desenvolvimento de conexões culturais era bastante previsível e parecia haver algumas barreiras inevitáveis ao desenvolvimento uniforme da cultura: alguns povos (e suas escritas) eram resistentes demais à modernização. Em 1945, havia planos para substituir todo o sistema de escrita japonês por letras latinas. Somente um estudo mostrando que a escrita japonesa era mais eficaz da maneira como ela era convenceu os estudiosos ocidentais de que tal medida extrema seria contra-intuitiva e só causaria danos. Porém, mudanças semelhantes ocorreram no Vietnã (só que antes) e na Coreia (muito, muito antes, mas concluídas mais tarde) e tiveram efeitos observáveis, especialmente no Vietnã. McLuhan não disse isso, mas um de meus professores certa vez afirmou que a eficácia da escrita latina ajudou os vietnamitas a coordenar seus esforços de guerra contra os EUA. Não tenho certeza. Os aviões e bombas russos provavelmente tiveram um impacto mais forte do que a escrita latina.

O que aconteceu, então, na década de 60, que fez tudo mudar?

A invenção da comunicação global instantânea. 

McLuhan acreditava que as comunicações via satélite tornariam o mundo inteiro uma “aldeia global”, na qual as informações chegariam aos confins da terra tão rapidamente quanto as fofocas viajam de um lado de uma cidade pequena ao outro.

Os efeitos da comunicação instantânea seriam enormes para McLuhan e trariam uma enorme transformação de todos os valores e costumes humanos. Embora eu não tenha lido seu livro seguinte, Entendendo a Mídiadesde 1967, fui ensinado sobre isso na faculdade e parece que ele previu as mudanças que a comunicação instantânea traria à cultura. Wikipedia: “Foi um dos principais indicadores da agitação de culturas locais pelos crescentemente    globalizadosvalores  .  O livro influenciou bastante os acadêmicos, escritores e teóricos sociais. ”

À medida que as culturas locais são sublevadas e forçadas a uma “aldeia global”, os relacionamentos tribais reaparecem porque a distância real cria uma autoridade sem base, da mesma maneira que os livros a criaram no passado (o contexto de um “livro sagrado” sendo visto como um objeto sagrado em si mesmo e por causa de seu conteúdo, apesar de ser apenas um objeto comum) e relações tribais baseadas na idade e linhagens de sangue.

Influenciadores da Internet, tais YouTubers, Bloggers e membros do Quora (não como eu, que não sou tão influentes quanto eu sonhava que seria); criar e dispersar conteúdos em mídias como… Medium  Quora … etc. O fluxo descontrolado de informações se comporta como fofocas. São informações que circulam por baixo do pano, atingem as pessoas diretamente, como os diálogos fizeram no passado distante. Os efeitos da des-tribalização são revertidos.

Mais que isso: estamos nos afastando de conteúdo sequencial (como este texto) para conteúdo de forma livre (vídeos do YouTube, linhas do tempo do Twitter). Podemos escolher o que nos interessa, superando a limitação de tempo (pulando para outro conteúdo, reiniciando mais tarde, experimentando dois conteúdos ao mesmo tempo). Não somos mais forçados a seguir uma única linha de texto para encontrar informações à frente: podemos teclar Control + F no texto ou buscar uma informação online. Os caracteres sequenciais dos sistemas de escrita ocidentais têm seus efeitos atenuados. Não é de admirar que as pessoas agora sonhem com a viagem no tempo, porque acreditam cada vez mais (como seus antepassados) que o tempo é cíclico, que o passado pode ser mudado, que existem várias linhas do tempo (multiverso) – ou mesmo que vivemos em uma realidade simulada.

Nesse contexto, não há mais um abismo intransponível entre chineses e alemães, por exemplo. Agora, duas mentalidades diferentes podem se comunicar por meio de um idioma de contato (que ainda é inglês, mas em breve o “inglês da Internet” começará a ter uma vida própria) e ter experiências semelhantes.

Em vez de nos tornar membros de uma mesma tribo, os efeitos da globalização estão realmente nos tornando pessoas que se comportam como tribo.

Jose Geraldo Gouvea

Publicado em  QUORA 

Tradução J. Filardo - https://bibliot3ca.com/

"A verdade deve manifestar-se em nossos pensamentos, nossas palavras e nossas ações"
 
Mahatma Gandhi
"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"

 

Áureo dos Santos