Sinceridade

O termo sinceridade provém do latim “sinceritas”, e se define como o modo de se expressar sem mentiras nem fingimentos. Ser sincero implica em dizer a verdade; mas, a prática deste conceito não é simples. As convenções sociais geralmente nos impedem de ser tão sinceros quanto deveríamos ser com familiares, amigos, funcionários ou chefes. Se assim for, podemos ser acusados ​​de não ser educados.

 

Por que às vezes sentimos que não podemos ser sinceros com aqueles que nos rodeiam? A raiz do problema, talvez, é que sempre encontramos respostas para esta questão; "Porque meu trabalho está em perigo", "porque não temos um relacionamento tão próximo", "porque ninguém me pediu minha verdadeira opinião”.

 

No entanto, não devemos esquecer que a qualidade da expressão sincero é conhecida como honestidade. A pessoa sincera respeita a verdade e estabelece relações sob este padrão moral. No entanto, é possível enganar a si mesmo, para nos fazer acreditar que somos seres honestos e sinceros, apesar de estar longe de mostrar essas virtudes.

 

As chamadas "mentiras piedosas" são um exemplo de falta de sinceridade aceita por todos. É muito questionável que isso seja bom porque, mais cedo ou mais tarde, o engano é descoberto e a pessoa enganada pode ou não entender as razões pelas quais ele foi mentido. Uma verdade difícil e sincera é sempre preferível a uma mentira piedosa que será descoberta. A verdade dói; Mas, dói muito mais quando descobrir que fomos enganados?

 

Tudo o que dizemos em termos gerais sobre sinceridade com os outros é muito mais importante, se estamos entre irmãos, amigos íntimos ... Se não podemos ser inteiramente sinceros com eles, é preferível retirar. Quando estreitamos ou abraçamos um irmão, amigo ... estamos dizendo que seremos sinceros com ele e que queremos o mesmo para nós. Ele não pode falhar com você, nem você pode falhar com ele. Devemos dizer-nos a verdade porque só conhecer a verdade é possível corrigir erros ou falhas que talvez não tenhamos visto e que outros tenham feito. Não devemos ver essa verdade - nem devemos dizê-la - como uma censura para nós, mas como uma ajuda para usar os meios à nossa disposição para resolver o defeito descoberto.

 

Não esqueçamos que todas as organizações iniciáticas (Maçonaria, Rosa Cruz, ...) nos dizem que todos e cada um de nós somos imperfeitos e que nunca nos tornaremos perfeitos porque somente Deus, o Criador, o Ser Supremo ou o que você define é perfeito. Mas, em nossa imperfeição, podemos ser melhorados graças ao livre arbítrio que nos permite escolher entre o correto (o bem) ou o errado (o mal); que nos permite polir nossa pedra eliminando os vícios e fomentando as virtudes

 

Como já mencionei, a Maçonaria (e outras ordens iniciáticas) não pretendem que alguém alcance a Perfeição, porque está disponível apenas no Oriente, de onde vem a Luz, e para onde estamos indo. Ou seja, só possui o Grande Arquiteto do Universo. Podemos levá-lo como Luz, como um espelho no qual olhar para a imagem da qual queremos abordar; mas pouco mais, realmente muito pouco mais.

 

A sinceridade é a base mais importante no processo da virtude. Como disse John Ruskin, “A Sinceridade é a raiz de todas as virtudes". A sinceridade nos permite reconhecer os Irmãos que estudam, preocupados ou interessados ​​em aperfeiçoar-se e alertar aqueles que não tomam sua decisão para que possam ser corrigidos. Se não somos sinceros com os outros, não podemos ser sinceros com nós mesmos.

Polimos com sinceridade nossa Pedra Bruta antes de dizer aos outros como polir a sua.

 

Mario Lopez

Fonte: https://iluminando.org/author/admin/

 

Tradução livre feita por Juarez de Oliveira Castro

"A verdade deve manifestar-se em nossos pensamentos, nossas palavras e nossas ações"
 
Mahatma Gandhi
"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"

 

Áureo dos Santos