Sobre o silêncio

Em Maçonaria uma das máximas do grau de aprendiz é o silêncio, com ele aprendemos a introspecção, o silêncio é a virtude através da qual se aprende a ser prudente e indulgente.

O aprendiz não tem nada que dizer, não sabe nada, sua idade não lhe permite ainda fazer perguntas, tão somente pode calar, abrir os olhos observando o que ocorre a seu redor e escutar atentamente o que passa.

A partir do silêncio podemos despertar nossos sentidos, fazer viagens ao interior de nossos pensamentos e repousar neles tranquilamente.

O silêncio inspira ao aprendiz a entrar em sua espiritualidade, a contemplar a grande obra e a busca da luz.

O silêncio está simbolizado na simples ou espátula que sela os lábios do aprendiz docemente para que este o guarde desde a tranquilidade do afeto e o crescimento lento e seguro.

O silêncio está na busca do equilíbrio, para aprender a calar é preciso estar consciente de nossa incapacidade de fazê-lo, as palavras são a consequência direta de nossos pensamentos, as melhores palavras são as curtas, as breves, as que não implicam mais que o justo e estruturado, o domínio de si mesmo e a mais profunda espiritualidade.

Na música, por exemplo, tal silêncio é considerado como uma nota que não se executa, marca um momento, uma pausa que geralmente é breve e se gráfica no pentagrama em forma de um z, o silêncio na música pode chegar a um grande desfrute do que precede e o que vem, mas no silêncio também está implícito o sentimento do compositor, o nível de dramatismo que quer imprimir em sua obra, é por isto que o silêncio se considera música em si mesma. O silêncio também é um descanso para que os intérpretes se recomponham e renasçam.

Na vida profana o silêncio implica um grande sacrifício, os homens e mulheres estão acostumados a desbordar nossas paixões através das palavras, essas que em tantas ocasiões se empanturram na garganta e começam a explorar como rajadas incontroláveis do fuzil.

Fonte: Blog da respeitável Loja Jacques de Molay Nº 1545, Pereira, Colombia.

Tradução livre feita por: Juarez de Oliveira Castro.

O aprendiz não tem nada que dizer, não sabe nada, sua idade não lhe permite ainda fazer perguntas, tão somente pode calar, abrir os olhos observando o que ocorre a seu redor e escutar atentamente o que passa.

"A verdade deve manifestar-se em nossos pensamentos, nossas palavras e nossas ações"
 
Mahatma Gandhi
"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"

 

Áureo dos Santos