Tornar feliz a Humanidade!

 

A reflexão que fazemos neste momento é sobre a força revigorante do serviço voluntário que concretamente pode dar oportunidade ao autêntico Maçom de praticar o bem e a se dedicar à felicidade de seus semelhantes mais próximos e menos favorecidos pela sorte. Nada que o impeça de dedicar-se também a causas de maior apelo e repercussão.

Têm-se notícias que hoje no Brasil milhões de pessoas estão envolvidas em atividades voluntárias e que não se omitem ao abrigo do argumento de que isso é tarefa atribuída a governos e autoridades por lei encarregadas de cuidar dos mais necessitados. Nesse aspecto, não podemos olvidar a preocupação com a qualidade dos políticos e dos governos que nos representam e sobre os quais somos os responsáveis pela escolha.

Estudos sobre o tema já comprovam que pessoas que ajudam o próximo têm uma melhor saúde e vivem mais. Mas não é só isso. O espírito do trabalho voluntário remete a uma mudança mais profunda, a uma modificação em termos de atitudes e comportamentos que podem redundar em incentivo e criação de políticas que visem a eliminação das disparidades e da exploração dos mais fracos, que sabidamente aflige os trabalhadores pauperizados e deserdados do desenvolvimento.

Essas distorções decorrem de um arranjo competitivo de ações geradas por instintos, vícios e paixões, onde o ser humano, no afã de consumir cada vez mais, de melhorar o próprio status e conquistar poderes, se vê envolvido de uma forma gananciosa e desmedida na satisfação dos seus próprios interesses ou de seu grupo de referência, levando a descalabros como corrupção, inversão de valores, guerras, destruições e construção de muros dividindo ricos e pobres, com a exclusão de muitos.

E, no convívio diuturno com essa realidade, aos poucos tornamo-nos indiferentes ao sofrimento alheio, embotando nossa sensibilidade e sem nenhum impacto passamos a banalizar a tragédia, a sina dos perseguidos e refugiados, das vítimas de violência sob todas as suas nuances, e a aceitar a corrupção até há bem pouco tempo vista como endêmica e natural, como se tudo fosse normal.  Normal a situação de famílias, de jovens e adultos sem perspectiva e perambulando em busca de emprego, crakolândias se expandindo, crianças e pedintes nos sinais de trânsito, mendigos se aglomerando nos escassos pontos de assistência solidária, em busca de alimentação e de um alento, sem nenhum acesso à cidadania, à moradia, à saúde, à educação, ao transporte, à cultura e à dignidade, enfim.

Muitos de nós contornamos o conflito interno gerado com tal situação mediante golpes de generosidade, como o ato de dar esmolas, assinar cheques para obras de caridade, fazer doações esporádicas, mais frequentes no período do Natal e em campanhas promovidas pelas redes sociais ou amigos importantes, ou dizendo-se associado a um determinado grupo ou a um reconhecido clube de serviço, quiçá de amplitude global, somente para enfeitar currículos ou dar uma satisfação, sem, no entanto, suar a camisa.

Precisamos reconhecer que muitas vezes somos solidários por compaixão ou como desculpa para manter nossa consciência tranquila. E muitos ainda encontram consolo pensando lá no silêncio do coração: “sorte que não somos como eles!” Mas a solução não se resume simplesmente em doar dinheiro, dizer-se participante de movimentos de ajuda e permanecer com os braços cruzados, pregando o que os outros deveriam fazer ou aguardar que alguém o faça, ficando “de boa na janela”, no conforto do lar, apenas apontando ideias mirabolantes e criticando aqueles que fazem acontecer.

Mas é no ato da partilha, da solidariedade constante (destacamos) e de uma cidadania consciente, que se traduz o verdadeiro servir por amor. Isso se materializa quando arregaçamos as mangas e colocamos a mão na massa, nas práticas efetivas do bem, quando realizamos a missão maior do ser humano nesta experiência material do espírito, não apenas por meios indiretos e por palavras impactantes ou com posturas triunfalistas, mas de forma existencial, pela maneira transformadora de ser, que pode ser promovida individualmente ou por intermédio de organizações ou iniciativas voltadas para o voluntariado e que efetivamente se importem com o que se passa no campo social, na comunidade e não funcionem apenas para criação e distribuição de cargos vistosos e que satisfaçam apenas e tão-somente à vaidade dos que se dizem líderes desses movimentos.

Vemos, com muita esperança, multiplicarem-se as redes de solidariedade entre amigos, colegas de trabalho, ordens religiosas, clubes de serviços ou fraternidades, gerando oportunidades aos excluídos e que contribuem para amenizar desigualdades e injustiças, inspirando a consciência de que é bom e gratificante empenhar-se pelo bem comum, com o resgate de valores como a generosidade e o amor ao próximo e não apenas esperar pela ação sempre lenta e por vezes seletiva e enviesada dos governantes de plantão.

É muito bom ser um membro atuante de uma equipe composta por pessoas abnegadas e voltadas para compartilhar um pouco do que temos com os menos protegidos, mesmo que seja na simplicidade da doação de algumas horas de dedicação por mês. Melhor ainda é convidar um amigo para nos apoiar nessa empreitada e ouvir, depois uma tarefa cansativa, porém prazerosa e restauradora da alma, a exclamação: “obrigado pela oportunidade de poder ajudar! Eu fui o maior beneficiado!”.

Assim agindo estaremos contribuindo pela paz tão almejada, que somente pode ser alcançada com persistente esforço em prol de uma vida digna para todos. No simples exercício do serviço desinteressado, o Maçom pode construir um legado e dar um pequenino passo para uma jornada que permita viabilizar o tão decantado e às vezes distante ideal de “tornar feliz a humanidade” e demonstrar o verdadeiro amor e gratidão ao Grande Arquiteto do Universo.

Você não pode ir muito longe enquanto não começar a fazer algo pelo próximo.” (Melvin Jones)

Márcio dos Santos Gomes

Mestre Maçom (Instalado) da ARLS∴ Águia das Alterosas Nº 197, GLMMG

Oriente de Belo Horizonte

Fonte: https://opontodentrocirculo.com/

"A verdade deve manifestar-se em nossos pensamentos, nossas palavras e nossas ações"
 
Mahatma Gandhi
"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"

 

Áureo dos Santos