Três estrelas sobre três candelabros iluminam a Loja

Os jovens iniciados não tiveram a oportunidade de conhecer as lojas iluminadas por velas belíssimas e muito simbólicas. Estas velas deviam ser feitas de cera de abelha pura, evocando o Trabalho, Atividade, Esperança. Se hoje a fada da eletricidade substituiu as velas, o simbolismo permanece muito presente.

 

Você disse Luz?

 

Uma primeira observação de aprendiz feita depois de receber a Luz: “nenhuma janela, nenhuma abertura para o exterior. No entanto, sobre o tapete da loja podemos ver janelas. Eu entendi através do meu segundo vigilante que a loja não é iluminada pela luz externa, simplesmente porque a Luz Universal só é visível a partir de dentro “, diz Valery.

 

O uso de cera e velas é facilmente compreensível. O venerável vai “dar, transmitir” a luz, àquele que conduz o iniciado no caminho da verdade e do conhecimento. A luz é simbolicamente onipresente nas lojas.

 

Por que o fogo, porque a chama para iluminar o templo?

 

Encontramos a chama, símbolo da vida na maioria dos rituais de iniciação, religiosos ou rituais de passagem. Em todas as liturgias, o simbolismo da chama é ternário: o corpo, a alma, o espírito. Os autores de textos religiosos falavam de Trindade: a cera representando o pai, o pavio representante o filho, e a chama representando o espírito.

“Eu tive a oportunidade de conhecer a transmissão da luz graças a velas verdadeiras. Há um tipo de magia, quando o venerável dá a luz e acende as estrelas (os candelabros). Eu me sinto mais solenidade, silêncio interior e espiritualidade. Estas novas luzes elétricas me parecem frias. Este é ainda um outro esforço a se fazer sobre si mesmo para entrar no mundo espiritual” lamenta Jean-Michel. E assim, algumas oficinas ignoram esta nova forma e continuam a usar velas.

 

Uma chama nunca será soprada, mas esmagada pelo malhete ou um cone, pois “nada havia de mais precioso e sagrado, junto aos Persas, que o fogo. (…) porque não há nada que represente tão bem a divindade” escreve Mandeslo.

 

Então, esses três pilares ou três estrelas?

 

“Como aprendiz, levei algum tempo para reconhecer as formas arquitetônicas desses pilares candelabros. Dórico, jônico e coríntio, exatamente como a sua atribuição enquanto símbolos”, disse Sandrine agora no grau de companheiro.

 

Estes três pilares correspondem cada um a um ofício, a uma ordem arquitetônica, a três dos Sephiroths, três sentidos muito fortes que têm um lugar importantes na loja. Eles também definem o espaço, o tempo, o senso de dever do maçom e os três principais ofícios: o pilar dórico simboliza a força que sustenta; ele é atribuído ao primeiro vigilante; o pilar Corinto simboliza a beleza que adorna; ele é atribuído ao segundo vigilante; finalmente, a coluna jônica simboliza a sabedoria que preside a qualidade do trabalho. Ele é atribuído ao Venerável Mestre.

 

“Logo serão 20 anos de maçonaria, e é sempre a mesma sensação: assim que as três estrelas são acesas, eu me sinto pronto para trabalhar, para escutar, sentir, dividir os trabalhos. 

 

O mesmo acontece ao final dos trabalhos, eu sinto uma sensação de completitude. A magia se rompe, este tempo e este espaço são privilegiados vão terminar. Uma questão ainda me atormenta: é saber se lá fora eu me comporto como um Maçom? Se não, para que tudo isso? ”

 

Devemos pensar em “completitude” assim que o Venerável e os 2 vigilantes apagam as velas dos candelabros como Philipe se sente? Claro que não. Apagar as Estrelas, é dizer os membros da oficina: “juntos acabamos de procurar no mais profundo de nós mesmos a força, sabedoria e beleza; agora é a hora, enriquecidos em nossos pensamentos, de ir para fora e levar a paz, o amor, a alegria”; não é esse o objetivo do Maçom: irradiar para o exterior a luz que brilha no interior?

 

Magali Aime

Tradução J. Filardo

 

Publicado na Revista F-M Magazine da Maçonaria

"A verdade deve manifestar-se em nossos pensamentos, nossas palavras e nossas ações"
 
Mahatma Gandhi
"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"

 

Áureo dos Santos