Uma iniciação no paraíso perdido: os franco-jardineiros

 

Muitas vezes se sublinha com razão quanto a Maçonaria e seus costumes estão relacionados à cultura social britânica.  Assim, a forma de uma Loja recorda a organização em duas “colunas” do Parlamento Britânico.  No início do século XVIII, a Maçonaria Moderna apareceu em meio a muitos outros clubes, associações e círculos com os quais compartilha mais de um uso. No século XIX, esse modo tipicamente britânico de “estar juntos” também florescerá nas “sociedades amistosas”: Foresters, Búfalos, Sheperds, Oddfellows… Ao desenvolver lendas e simbolismos específicos, essas “sociedades fraternais” emprestam muito à Maçonaria. Uma delas, no entanto, distingue-se pela sua idade e pelo seu carácter muito particular: os Jardineiros Livres (os Franco-Jardineiros)

 A primeira característica da sociedade dos franco-jardineiros é a sua antiguidade, pois a primeira evidência de sua existência remonta ao século XVII … na Escócia! Seus inícios são portanto quase contemporâneos aos da Maçonaria e suas raízes mergulham no mesmo solo. O registro da “Fraternidade de jardineiros de East-Lothian” abre no dia 16 de agosto de 1676 por um regulamento em quinze artigos.  A Fraternidade conduz seus trabalhos no honrado bairro real de Haddington, a cerca de trinta quilômetros a leste de Edimburgo. Em 1677, ela já tem sessenta e seis membros.

Seus primeiros membros são menos jardineiros profissionais do que pequenos proprietários de terra, notáveis do campo e da pequena nobreza local, em termos mais familiares os “Aceitos”. É uma época em que o gosto pela arquitetura renascentista leva a um interesse constante pela arte do jardim. Interesse demonstrado pelo livro de John Reid (1655-1723), The Scot Gard’ners (Os jardineiros escoceses), publicado em 1783. As primeiras atas contêm principalmente apelos à importância da “Caixa [de solidariedade]” e a assiduidade dos membros. Mas também há injunções para a melhoria moral e a honra dos franco-jardineiros. A segunda “loja” de franco-jardineiros, cujos arquivos deixaram traços, se abre em 1715, em Dunfermline, cerca de vinte quilômetros ao norte de Edimburgo, do outro lado do estuário de Forth.

No final do século XVIII, havia também franco-jardineiros em Bothwell, Cambusnethan e Arbroath. O sucesso da maçonaria atraiu os notáveis e os franco-jardineiros eram encontrados especialmente entre jardineiros, profissionais e amadores esclarecidos. Eles organizavam trocas de sementes e de estacas e estarão na origem das primeiras exposições florais.
Se nada se sabe sobre o ritual dos francos-jardineiros no século XVII, a existência dele é atestada já em 1726.  No século XVIII, as atas indicam que os candidatos foram “devidamente admitidos e recebidos membros da Fraternidade, tendo recebido a palavra e segredo”. Originalmente, parece haver apenas um grau, mas posteriormente, sob a influência da Maçonaria, a Ordem tem três graus: aprendiz, companheiro (jornaleiro) e mestre. Seu emblema é … o esquadro e o compasso sobre os quais se coloca a “faca de enxerto”.

Os únicos rituais que chegaram até nós são os da década de 1930, que, no entanto, podemos pensar que, se foram enriquecidos e desenvolvidos, fazem parte da continuidade dos usos anteriores.  De um modo muito natural, em um contexto britânico e protestante, os rituais tomam emprestada a maior parte de seu material da Bíblia. Esta apresenta vários jardins que fornecem as referências das cerimônias. Começando com o paraíso terrestre criado pelo “Grande Jardineiro do Universo”:  “Yahweh plantou um jardim no Éden” e “Yahweh tomou o homem e o colocou no Jardim do Éden para cultivá-lo e mantê-lo” (Gênesis II-8 e II-15). Depois do dilúvio, “Noé começou a cultivar a terra e plantou videiras” (Gênesis, IX-20). Antes de sua prisão, Jesus orou no jardim do Getsêmani (Mateus, xxvi-36).

Mas, a partir de 1800, os franco-jardineiros orientarão principalmente suas atividades em direção à solidariedade e gradualmente se transformarão em uma sociedade de ajuda mútua.  No século XIX, profundamente transformada, essa versão mutualista de franco-jardineiros encontra um grande sucesso. Centenas de lojas serão criadas em todo o Império Britânico.  No entanto, a partir da década de 1950, a ascensão do estado de bem-estar removeu o objetivo principal das “sociedades amistosas” e as lojas de franco-jardineiros passarão por um declínio irreversível. No final do século XX, restavam apenas três lojas: Bristol, no Caribe e na Austrália! Suficiente, no entanto, para que a continuidade seja assegurada no momento em que essa fraternidade singular desperta um interesse renovado.

Pierre Mollier

Fonte: https://bibliot3ca.com/

Traduzido por:J. Filardo

Publicado na Revista FM – Franc Maçonnerie

"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"
Áureo dos Santos