Vivendo plenamente.

Durante a vida, passamos por uma série de perdas. Algumas dolorosas, porém necessárias, outras, desnecessárias e difíceis de aceitar. Como seria bom se existisse um programa de computador, onde pudéssemos apagar da nossa memória tudo o que nos causasse dor e sofrimento. Seria bom ter algumas lembranças esquecidas, porém, admitimos que aprendemos com algumas perdas. 

Aprendemos a valorizar os ganhos. Vivemos momentos ruins para aprender, em algumas situações, a valorizar os bons. 

É muito fácil valorizamos mais as perdas do que as conquistas, mas quando isso acontece, não percebemos as situações positivas que cruzam nosso caminho. Guardamos muitas vezes, as melhores recordações em caixas bem fechadas, achando que assim, poderemos preservá-las, enquanto ficamos agarrados às mágoas, esquecendo todas as lembranças felizes que um dia fizeram parte da nossa história. Deixamo-nos estragar emocionalmente, de maneira permissiva, e a desculpa é que estamos ligados ao passado. Mágoas, rancores, de situações vividas e que não nos deixam viver um presente pleno. Aí acontece a maioria dos desencontros. 

Nós somos o resultado de tudo. Das nossas apostas, das desconfianças, do coração partido, das frustrações. 

Cada um com suas próprias derrotas, que são necessárias, pois são elas que nos diferenciam um do outro. Se assim não fosse, seríamos todos iguais, perfeitos e sem graça. Quando entendemos que as quedas são necessárias para que nos tornemos pessoas mais completas, nos preparamos para enfrentar os problemas buscando soluções. 

Assim, seguimos em frente, sem culpa pelo erro e sem medo do que o futuro nos reserva. Encarando a dor como um mal necessário para nos tirar da inércia e nos levar a reagir, nos afastando talvez, de depressões, tão comum nesse século. 

Sem os sofrimentos seríamos como bonecos com desfechos predeterminados. Provavelmente, seríamos felizes o tempo todo e emocionalmente mais estáveis, porém, despreparados, não sabendo como reagir ao próximo tombo, pois para não sofrer, estaríamos apagando expectativas. 

Com isso, acabamos nos boicotando, muitas vezes não permitindo vivermos novas experiências. O segredo é que precisamos entender os porquês dos estragos e assimilar as razões. 

Devemos usar as decepções a nosso favor para que nos tornemos grandiosos diante da vida, aptos a receber o que nos mandam e transformar tudo o que vier de bom ou ruim, em aprendizado. 

A vida está aí para ser vivida com seus ganhos e perdas. É um presente de Deus, e devemos fazer jus ao que Ele nos presenteou fazendo um bonito espetáculo: VIIVENDO PLENAMENTE!

Fonte: Revista Fraternizar – Ano XVIII nº 198 - junho/2015.

"Jamais permita que os nós tapem a vista da janela, pois será através dela que enxergaremos a oportunidade dos laços!"
Áureo dos Santos